Muito se engana quem acha que rico tem vida fácil. Pois é, se o amigo tem conforto a bordo de seu compacto, sedã ou SUV, um ricaço pode passar maus bocados dentro de um supercarro, apertado com motor urrando literalmente em seu cangote. Experimente guiar um Audi R8 ouvindo Bach. Impossível! Por outro lado, num sedã de luxo, sobra de tudo, mas é um carro pesadão que esparrama na curva. Não é legal.

Mas a Bentley tem a solução para quem busca o melhor do luxo com o máximo de performance. A marca britânica acaba de apresentar o Continental GT Speed, versão mais nervosa do cupê inglês, que foi reeditado para a atual geração. A derivação endiabrada chega para celebrar os 101 anos da marca britânica.

A cereja do bolo desse Gran Turismo está no motor W12 biturbo 6.0 que teve potência ampliada para 659 cv e torque cavalar de 90 kgfm. Números que justificam o nome da versão. A aceleração de 0 a 100 km/h é de 3,5 segundos e a velocidade máxima de 335 km/h. 

São valores espantosos para um carro que não abre mão de um grama de conforto em nome da performance. Completa o conjunto mecânico uma transmissão de oito marchas de dupla embreagem. <EM>

Exigências

Mas até mesmo nesse exótico mundo da riqueza preciso atender às rígidas exigências ambientais europeias, assim como chinesas e norte-americanas. Afinal, a combinação de um 12 cilindros com peso de quase duas toneladas não se traduz em eficiência energética. Assim, a Bentley precisou aplicar tecnologias como Start/Stop, que inclusive apaga o motor antes mesmo da parada, assim como sistema de desligamento de cilindros, que mantém as válvulas abertas na metade das câmaras, quando se trafega com baixa demanda de torque.

Visual do GT Speed

O Continental GT Speed recebeu novos para-choques, assim como ajuste de suspensão ainda mais esportivo e rodas aro 22. Por dentro, a versão oferece o mesmo padrão palaciano dos demais Bentley, mas com toque mais esportivo, abusando do couro preto, fibra de carbono e detalhes em vermelho.