Depois de “causar” com a polêmica (para não dizer horrorosa) grade do novo Série 4, e consequentemente futuro M4, a BMW acaba de anunciar que o próximo M3 terá uma derivação perua. Será a primeira vez na história do esportivo, que teve sua primeira geração lançada em 1986, que ele terá opção com carroceria estendida. 

Enquanto o novo M3 estreia em setembro, na sequência virão M4 e M4 Cabrio (conversível), a perua furiosa só irá chegar ao mercado em 2022. Ela compartilhará o mesmo conjunto mecânico do restante da linha, com motor seis cilindros 3.0 biturbo com potência estimada na casa dos 500 cv e cerca de 55 mkgf de torque. 

O modelo chega para concorrer no segmento de peruas esportivas que tem como referência o Audi RS4 Avant e Mercedes-Benz C63 AMG Estate. Há muito tempo, a marca de Munique estava devendo uma perua nervosa para o Série 3. 

Em 2000, ela apresentou uma versão conceitual de um M3 Touring, da geração E46. Com apenas uma unidade, o carro foi equipado com o L6 (seis cilindros em linha) aspirado, com 3.2 litros de deslocamento, que entregava 343 cv e 36,5 mkgf de torque.

Na única imagem revelada pela marca, só é possível identificar as lanternas e detalhes do para-choque, com extratores de ar e quatro ponteiras de escape. No anúncio, a BMW deixa claro que o carro seguirá o estilo controverso do Série 4, com grandes tomadas de ar dianteiras.

M5 Touring

Curiosamente, o M5, o sedã mafioso da BMW, teve edições com carroceria perua. O primeiro M5 (E28), fabricado entre 1984 e 1988, teve cerca de 891 unidades, que eram equipados com motor L6 3.5, que na época entregava cerca de 260 cv. Na geração seguinte (E34) a M5 Touring voltou a cena, com mais vigor sob o capô. O seis cilindros foi reajustado para 315 cv. Entre 1988 e 1995 foram fabricadas aproximadamente 2,5 mil unidades. 

V10

Mas a grande insanidade do M5 ocorreu com a geração E60, lançada em 2005. Esse carro foi único BMW a receber um motor V10 5.0, derivado do bloco usado pela BMW na Fórmula 1. Era uma usina aspirada que despejava 507 cv e 52 mkgf de torque, e permitia que o M5 acelerasse a até 305 km/h, com o limitador desligado. 

Das pouco mais de 20 mil unidades fabricadas até 2010, 1.025 foram da perua, até hoje um dos carros mais incríveis que a BMW construiu. Agora é aguardar para saber se a M3 Touring irá responder à altura das velhas peruas.