A boliviana Célia Castedo Monasterio, apontada como responsável por ter autorizado o plano de voo do avião da LaMia que levava a delegação da Chapecoense e partiu de Santa Cruz de la Sierra entrou com um pedido de refúgio no Brasil. A solicitação foi feita na segunda-feira na sede da Polícia Federal em Corumbá (MS).

De acordo com o delegado Sergio Luis Macedo, a solicitação já foi encaminhada ao Ministério da Justiça, que tem até um ano para avaliar o pedido. Durante este período, Célia pode permanecer legalmente em território brasileiro.

Leia também

Piloto de avião da LaMia que caiu 7 dias atrás tinha mandado de prisão na Bolívia
'Ele nunca colocaria a própria vida e a de ninguém em risco', diz viúva de piloto
'Força-tarefa' de três países irá apurar causas da queda de avião na Colômbia
Tripulante diz que voo previa escala e que 'ninguém percebeu que avião iria cair'

"Ela alegou que está sendo perseguida e tida como um bode expiatório, a única culpada pelo Ministério Público Boliviano neste acidente. Ela diz que não tinha autoridade para impedir que o avião decolasse. Então foi feito o pedido de refúgio aqui na delegacia, que é enviado automaticamente ao Ministério da Justiça por meio de um sistema computadorizado. Mas a partir de agora, ela já pode ir para onde quiser aqui no Brasil", disse Macedo à reportagem. 

Célia também prestou depoimento ao Ministério Público Federal do Mato Grosso do Sul, mas o delegado disse que não teve acesso a ele. O órgão publicou uma nota oficial.

"A boliviana C.C.M foi atendida na Procuradoria da República no município de Corumbá/MS. A Secretaria de Cooperação Internacional da Procuradoria-Geral da República, em coordenação com as procuradoras Gabriela Tavares e Maria Olívia, vai solicitar aos órgãos federais competentes as medidas cabíveis, conforme as normas internacionais e o direito brasileiro", diz o comunicado oficial do MPF.

Célia é funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea e revisou os planos de voo do avião da LaMia antes do embarque. Um documento mostra a assinatura da funcionária, que chegou a questionar o plano e apontar diversas falhas para Álex Quispe, um dos tripulantes da aeronave que caiu e uma das vítimas fatais do acidente.

O plano de voo foi apresentado à funcionária 1h antes do avião decolar. Castedo afirma ter questionado o tripulante sobre cinco tópicos, entre eles o tempo de voo previsto de Santa Cruz de la Sierra até o aeroporto de Medellín - que era exatamente igual à quantidade de combustível da aeronave, não prevendo possíveis atrasos. Apesar dos questionamentos, porém, o avião foi autorizado e decolou do aeroporto Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.