Em discurso para apoiadores na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, neste Dia da Independência, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez ataques ao Supremo Tribuinal Federal (STF) e ao ministro Alexandre de Moraes.

De acordo com o presidente, "uma pessoa específica da região dos três poderes" está "barbarizando" a população e fazendo "prisões políticas", que, segundo afirmou, não se pode mais aceitar.

"Não podemos continuar aceitando que uma pessoa específica da região dos três poderes continue barbarizando a nossa população. Não podemos aceitar mais prisões políticas no nosso Brasil. Ou o chefe desse poder enquadra o seu ou esse poder pode sofrer aquilo que nós não queremos", disse.

Sem se referir nominalmente a Alexandre de Moraes, o presidente disse que não aceitará mais “prisões políticas”. Nas palavras de Bolsonaro, o ministro do "Supremo Tribunal Federal perdeu as condições mínimas de continuar dentro daquele tribunal".

Alexandre de Moraes é responsável pelo inquérito que investiga o financiamento e organização de atos contra as instituições e a democracia e pelo qual já determinou prisões de aliados do presidente e de militantes bolsonaristas. Bolsonaro é alvo de cinco inquéritos no Supremo e no Tribunal Superior Eleitoral.

Ministros
Em redes sociais, os ministros do STF Luís Roberto Barroso e Alexandre de Moraes fizeram publicações.

"Nesse Sete de Setembro, comemoramos nossa Independência, que garantiu nossa Liberdade e que somente se fortalece com absoluto respeito a Democracia", escreveu o ministro Alexandre de Moraes.

"Brasil, uma paixão. Brancos, negros e indígenas. Civis e militares. Liberais, conservadores e progressistas. Desde 88, a vontade do povo: Collor, FHC, Lula, Dilma e Bolsonaro. Eleições livres, limpas e seguras. O amor ao Brasil e à democracia nos une. Sem volta ao passado", postou Luiz Roberto Barroso, presidente do Tribunal Superior Eleitoral.