O presidente eleito da República Jair Bolsonaro teceu críticas ao que considera "propagação da ideologia de gênero" nas provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e afirmou que pretende ter acesso com antecedência às provas aplicadas a partir do ano que vem.

Em uma transmissão ao vivo pelo Facebook nesta sexta-feira (9), Bolsonaro fez críticas à prova deste ano, especificamente a uma questão que tratou do pajubá, dialeto secreto da comunidade LGBT. “Esse tema de linguagem ‘particulada’ (sic), aquelas pessoas, o que isso tem a ver? Vai estimular a molecada a se interessar por isso agora. No ano que vem, pode ter certeza, não vai ter questão dessa forma”, criticou Bolsonaro.

Atualmente, nem o ministro da Educação ou o presidente da República têm direito a ter acesso previamente às provas do Enem. O material só pode ser acessado pela equipe do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), que elabora as questões, justamente para garantir a ideoneidade do processo.