O presidente Jair Bolsonaro exonerou o diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo, nome de confiança do ministro Sergio Moro para o cargo.  A exoneração ocorreu "a pedido", segundo decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, e publicado no "Diário Oficial da União" desta sexta-feira (24).

A possibilidade de sua demissão gerou uma crise na sexta-feira entre Bolsonaro e Moro, que ameaçou deixar o cargo caso Valeixo fosse exonerado. A expectativa é de que o ministro fale a respeito em uma coletiva aina nesta sexta.

O ex-juiz e ministro da Justiça Sergio Moro, que ganhou notoriedade durante a operação Lava Jato, teria pedido demissão na quinta-fera (23), após o presidente ordenar a troca do comando da Polícia Federal, hoje ocupada por Maurício Valeixo. As informações são do jornal Folha de São Paulo.

De acordo com o veículo de comunicação, o presidente Jair Bolsonaro teria avisado durante uma reunião com Moro que queria a demissão de Valeixo, nome subordinado e de total confiança do ministro da Justiça. Moro, então, em reação à ordem, teria pedido demissão do cargo.

Esta não é a primeira tentativa de Bolsonaro de demitir Valeixo. Desde o ano passado, o presidente tenta trocar o diretor-geral da instituição, que tem total respaldo de Moro e apoio da corporação devido ao perfil técnico e independente. 

Sergio Moro abandonou a carreira de magistrado para ocupar o Ministério da Justiça e é cotado para assumir uma vaga no Supremo Tribunal Federal (STF) nos próximos anos. 

Leia também:
Moro pede demissão após Bolsonaro ordenar troca de comando na Polícia Federal, diz jornal