O presidente Jair Bolsonaro afirmou que pretende corrigir a tabela do Imposto de Renda pela inflação em 2020. Em entrevista dada à Rádio Bandeirantes, nesse domingo (12), ele disse que já conversou sobre o assunto com o ministro da Economia, Paulo Guedes. “Pedido não é uma ordem, mas pelo menos corrigir o IR pela inflação para o ano que vem, com certeza vai sair", disse.

Ele disse ainda que solicitou à sua equipe que faça um estudo para a formulação de uma reforma tributária, mas sem que haja pressa nessa pauta. "Não pode ir com muita pressa. Pedi ao pessoal para ir mais devagar para resolver mais coisa", afirmou Bolsonaro, acrescentando que pediu ao ministro uma ampliação no limite de dedução com gastos em saúde e educação no IR.

A tabela do Imposto de Renda não é reajustada desde 2015. Caso haja uma correção a partir da inflação, haveria elevação nas faixas de renda e mais contribuintes pagariam menos impostos, enquanto outros ficariam isentos, acarretando numa perda de arrecadação para o governo federal.

A defasagem na tabela do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) chega a 95,46%, divulgou o Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (Sindifisco Nacional), em janeiro. O levantamento foi feito com base na diferença entre a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulada de 1996 a 2018 e as correções da tabela no mesmo período.

Durante a entrevista, Bolsonaro falou ainda das dificuldades que enfrenta ao presidir o país. "Não é fácil governar o Brasil e que, por isso, tem que ter equipe de ministros que converse contigo; são 24 pessoas (incluindo o vice-presidente Hamilton Mourão) para buscar soluções para o Brasil".

(*Com agências Brasil e Estadão Conteúdo)