O ajuste no valor do Benefício de Prestação Continuada (BPC) para quem tem entre 60 e 69 anos será feito por meio de lei ordinária, de acordo com a proposta de reforma da Previdência apresentada nesta quarta-feira (20).

Pela proposta, a partir dos 60 anos, os idosos receberão R$ 400 de BPC. A partir de 70 anos, o valor sobe para um salário mínimo.

“Até que tenha a lei do benefício, o valor será de R$ 400. O salário mínimo aos 70 anos é uma garantia constitucional que permanece”, disse o secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho.

Atualmente, o BPC é pago para deficientes, sem limite de idade, e idosos, a partir de 65 anos, no valor de um salário mínimo. O benefício é concedido a quem é considerado em condição de miserabilidade, com renda mensal per capita inferior a um quarto do salário mínimo.

Pela proposta do governo, também será condição para ter o benefício quem tem patrimônio inferior a R$ 98 mil (Faixa I do programa Minha Casa, Minha Vida). 

Para Marinho, atualmente, não há nitidez entre o que é Previdência e o que assistência. “Precisamos ajudar essas pessoas, é um pacto moral que nós temos. Ao mesmo tempo, a gente não pode fragilizar o sistema contributivo”, disse ao explicar sobre a nova idade proposta para receber o salário mínimo.

Leia mais:
Previdência: Bolsonaro, Alcolumbre e Maia discutem tramitação do texto
Estados deficitários terão de aumentar alíquotas para Previdência
Proposta extinguirá aposentadorias especiais para parlamentares
Aposentadoria por incapacidade será menor para alguns trabalhadores
Onyx diz que proposta vai receber ajustes e contribuições
Policiais e agentes penitenciários poderão se aposentar aos 55 anos
Trabalhador contribuirá 40 anos para se aposentar com 100% do salário
Líder do MDB diz que reforma será aprovada até 15 de julho
Previdência terá alíquotas progressivas de contribuição