O ministro da Saúde, Arthur Chioro, afirmou nesta quinta-feira (14) que o Brasil vive uma epidemia de dengue e já registra casos de Zika, que tampém é transmitida pelo Aedes aegypti. "Claro, tecnicamente estamos vivendo uma epidemia", afirmou ao apontar que a quantidade de casos no Brasil é avaliada como epidêmica segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). A situação é mais graves em São Paulo, Goiás e no Acre.

O Instituto Evandro Chagas confirmou 16 casos de Zika Vírus no país - oito no Rio Grande Norte e oito casos na Bahia. O resultado dos exames foi divulgado pelo ministro da Saúde, Arthur Chioro.

O ministro afirmou que a Pasta já esperava a confirmação e que outros casos devem ocorrer no Brasil. "É preciso deixar claro que essa não é nossa preocupação. Estamos preocupados com a dengue", afirmou.

Chioro acrescentou que, embora possa provocar muito incômodo, a Zika não traz risco de morte. A doença provoca febre baixa, vermelhidão nos olhos, dores nas articulações, no corpo e de cabeça.

O ministro contou que a chegada no Brasil da doença já era esperada desde a Copa do Mundo. A Zika é transmitida pela picada do mosquito Aedes aegypti contaminado com o vírus. Depois da contaminação, o paciente leva em média quatro dias para apresentar os primeiros sintomas.

O tratamento é feito com medicamentos para reduzir a dor, como paracetamol. Não é indicado o uso de anti-inflamatórios ou de medicamentos com ácido acetilsalicílico. A recuperação ocorre em até sete dias depois do aparecimento dos primeiros sinais da doença.

Chioro classificou como explosiva a epidemia de dengue registrada nos Estados do Acre, Goiás e São Paulo. O ministro avaliou que o número de casos de novos casos da doença entrará em declínio somente com a redução das chuvas e do calor.

"Essa é nossa maior preocupação. Precisamos ficar atentos a sinais de agravamento da doença, que são dor de abdominal, vômito, associado a sintomas clássicos", disse o ministro.