BRASÍLIA - Representantes de aposentados e ex-funcionários da Varig estiveram nesta terça-feira(13) no Palácio do Planalto para discutir com ministros um possível acordo com o governo para três ações judiciais contra a União, envolvendo a companhia aérea e o Aerus, fundo de pensão dos ex-funcionários da empresa.

O grupo foi recebido pelos ministros da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e da Advocacia-Geral da União, Luiz Inácio Adams, e pelo secretário executivo do Ministério da Previdência, Carlos Eduardo Gabas. Eles saíram otimistas da reunião, segundo a ex-presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziella Baggio.

“Esta foi a reunião mais produtiva, houve empenho por parte dos ministros de buscar uma solução. Teremos uma nova reunião na próxima semana. A União está dizendo: vamos fazer acordo em todas as ações”, disse.

Juntas, as três ações judiciais tratam de interesses de cerca de 10 mil aposentados e mais 10 mil funcionários que estavam na ativa quando a Varig quebrou. Segundo Graziela, o valor devido pela União ultrapassa os R$11 bilhões.

De acordo com o presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores em Aviação Civil, Celso Klafke, a União está disposta a fechar acordos nos três processos. “Ao fazer esse acordo, o governo quer zerar todas as ações”.

Ex-comandante aéreo da Varig e da Cruzeiro do Sul, o aposentado Zoroastro Lima, de 82 anos, disse que o acordo é fundamental para repor as perdas salariais dos aposentados do Aerus. “Mais de 850 colegas morreram desde 2006. Estamos correndo contra o tempo. Nossa pressão é para o acordo, porque precisamos disso para sobreviver, acabaram as reservas”.