O governo boliviano anunciou nesta quinta-feira (31) uma megaoperação antidrogas entre forças combinadas da polícia e do exército na localidade de San Matías (leste), fronteiriça com o Brasil, dois dias depois de tê-la militarizado devido a uma onda de crimes.

"Vamos aplicar uma megaoperação de rastreamento, investigações, apoiados também pelo Ministério da Defesa, que está constituindo um anel externo com o exército", declarou à imprensa o ministro de Governo, Carlos Romero.

Afirmou que "o denominador comum de ao menos seis crimes violentos registrados nos últimos tempos em San Matías tem a ver com tráfico de drogas, de tal maneira que estamos aumentando ações com este objetivo".

Romero afirmou que para combater o narcotráfico na zona será quadruplicado o número de efetivos policiais e quintuplicada a quantidade de efetivos antidrogas, embora não tenha informado o total de efetivos atualmente no local.

Dois dias atrás, a presidência boliviana ordenou a militarização desta zona, na qual prevalecem o contrabando e o narcotráfico.

A polícia vem aplicando um plano chamado de "Ñandereco" (viver em harmonia, em guarani), orientado a combater o crime nas fronteiras, particularmente na zona fronteiriça com o Brasil.

De acordo com a ONU, a Bolívia é, atrás da Colômbia e do Peru, o terceiro maior produtor mundial de folha de coca, insumo chave para a cocaína.