Paralisada desde 14 de maio, a produção da CoronaVac foi retomada nesta quinta-feira (27) após o recebimento de 3 mil litros de insumos, que chegaram a São Paulo na noite da última terça-feira (25). Será possível fabricar 5 milhões de doses da vacina contra a Covid-19.

O imunizante é produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, que envia a matéria-prima para que o envase, a rotulagem, embalagem e o controle de qualidade sejam feitos no Brasil. O processo dura entre 15 e 20 dias. Só então a vacina é disponibilizada ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) para distribuição para a população.

Vacina Covid-19

Até agora, o Butantan já entregou 47,2 milhões de doses ao PNI, cumprindo o primeiro contrato estabelecido com o Ministério da Saúde para entrega de 46 milhões de doses

Até agora, o Butantan já entregou 47,2 milhões de doses ao PNI, cumprindo o primeiro contrato estabelecido com o Ministério da Saúde para entrega de 46 milhões de doses. Agora, o Instituto Butantan trabalha para entregar outras 54 milhões de doses referentes a um segundo contrato firmado com o governo federal, totalizando 100 milhões de doses.

Até o final de setembro, o Butantan espera inaugurar uma nova fábrica da vacina, que vai permitir a produção das doses da CoronaVac sem necessidade de importação da matéria-prima da China. O local terá capacidade de produção de 100 milhões de doses por ano.

Leia mais:
Fiocruz alerta para tendência de agravamento na pandemia
Mortes de crianças e adolescentes mineiros dobram em apenas três meses