Motorista de Cristiano Araújo é indiciado sob suspeita de homicídio culposo

Folha Press
10/09/2015 às 17:11.
Atualizado em 17/11/2021 às 01:42
 (Reprodução TV Record)

(Reprodução TV Record)

A polícia de Goiás concluiu nesta quinta-feira (10) as investigações sobre o acidente que causou a morte do sertanejo Cristiano Araújo, em junho deste ano, e indiciou o motorista Ronaldo Miranda sob suspeita de homicídio culposo (quando não há intenção de matar).   Segundo o delegado Fabiano Henrique Jacomelis, responsável pelo caso, o inquérito concluiu que o carro estava em alta velocidade e com rodas que não eram originais de fábrica no momento em que capotou na rodovia BR-153.   Um parecer técnico feito pela Land Rover na Inglaterra, a pedido da polícia, apontou, em agosto, que o veículo trafegava a 179 km/h exatamente 5 segundos antes do acidente. O limite da via era de 110 km/h.   Também foi determinante para a morte do cantor e da namorada dele, Allana de Moraes, o fato de estarem sem cinto de segurança, afirmou Jacomelis.   Os resultados do inquérito serão encaminhados à Justiça de Goiás ainda na tarde desta quinta. Se condenado, Ronaldo, que era assessor de Cristiano, pode pegar até quatro anos de prisão.   O sertanejo voltava de um show em Itumbiara (a 200 km de Goiânia) com Allana em 24 de junho, quando o veículo em que estavam, uma Range Rover, saiu da pista na altura do km 614, entre as cidades de Goiatuba e Morrinhos, em Goiás, e capotou no canteiro central por volta das 3h15.   A namorada do cantor foi atirada para fora do carro, não resistiu aos ferimentos e morreu ainda no local do acidente.   O músico chegou a ser socorrido e levado em estado grave para o Hospital Municipal de Morrinhos, onde recebeu os primeiros atendimentos. Cristiano foi transferido de helicóptero para Goiânia, mas chegou ao Hospital de Urgência com morte encefálica.  

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por