Sindicatos garantem paralisação total de ônibus e metrô, mesmo com ordem judicial para escala mínima

Malú Damázio
mdamazio@hojeemdia.com.br
27/04/2017 às 13:30.
Atualizado em 15/11/2021 às 14:18
 (Carlos Roberto)

(Carlos Roberto)

Os trabalhadores metroviários e rodoviários de Belo Horizonte e Região Metropolitana irão manter a paralisação total na próxima sexta-feira (28), contra a terceirização e as reformas Previdenciária e Trabalhista. A decisão vem após determinação do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), expedida por liminar na manhã desta quinta (27), que assegura que os transportes da Grande BH devem funcionar em escala mínima - com 80% da frota de ônibus e trens no horário de pico.

O Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários de Belo Horizonte e Região Metropolitana (STTR-BH) informou que, em assembleia realizada na segunda-feira (24), os funcionários já haviam decidido manter a paralisação completa da categoria, mesmo com determinação judicial contrária. O TRT prevê multa de R$80 mil para o descumprimento da liminar, e o sindicato afirma que irá arcar com os custos se for penalizado.

A greve geral sem escala mínima também está mantida para os metroviários da capital, conforme o Sindicato dos Empregados em Transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindimetro). A presidente do Sindimetro, Alda Lúcia dos Santos, garante que os trabalhadores irão paralisar completamente apesar da determinação do TRT. 

A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU-BH) informou em uma de suas redes sociais que obteve liminar para garantia de escala mínima, sob pena de multa de R$250 mil caso a ordem judicial não seja cumprida. No entanto, Alda afirma que a diretoria do Sindimetro ainda não foi notificada pela Justiça.

Se os metroviários forem multados por não cumprir a ordem de escala mínima, Alda garante que o sindicato irá recorrer da decisão. "Nós vamos recorrer da multa porque estamos exercendo um direito de greve. Não vemos essa paralisação como ilegal. Estamos lutando pela manutenção dos nossos direitos", diz.  

Liminar

O documento do TRT pede o funcionamento de 80% da frota de ônibus no horário de pico - de 06h às 08h30 e de 17h às 19h - e de 60% nos demais períodos do dia. Para o metrô a decisão é que pelo menos 80% dos trens circulem das 5h30 às 10h e das 16h às 20h e, nos demais horários, a operação seja de 60%. 

Os pedidos foram feitos pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros Metropolitano (Sintram) e pela Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU-BH) após a confirmação dos trabalhadores rodoviários de adesão à greve geral, marcada para esta sexta-feira (28).

Multa

Conforme a presidente da Central Única dos Trabalhadores de Minas Gerais (CUT-MG), Beatriz Cerqueira, a entidade fará uma campanha de arrecadação de recursos para ajudar a pagar as multas que os metroviários e os rodoviários possam sofrer. “Esta não é uma paralisação e multa de categoria, é uma paralisação de classe contra as reformas Trabalhista, Previdenciária e contra a terceirização”, afirma. 

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por