RIO DE JANEIRO - O piloto de parapente Luiz Gonzaga Pereira de Souza perdeu temporariamente o direito de conduzir voos de parapente na rota entre o mirante da Pedra Bonita e a praia de São Conrado, na zona sul do Rio.

De acordo com a direção do Clube São Conrado de Voo Livre, Souza, que tem Souza tem 20 anos de experiência como instrutor, está temporariamente suspenso devido à série de erros cometidos durante um voo duplo há duas semanas. O voo foi registrado em um vídeo.

Por quatro minutos, Souza e o turista Sudmar Franzin voaram sem rumo pelo meio de uma nuvem. "Ele vai passar novamente por um curso de simulação de incidentes de voo", afirmou Augusto Prates, vice-presidente da Associação Brasileira de Voo Livre.
"Mesmo após as aulas, o instrutor só voltará a realizar voos duplos após ser avaliado por uma comissão especializada. Nós somos treinados para administrar o stress e ele perdeu a referência. Entrou em parafuso", criticou Prates.

Um vídeo, com 13 minutos, mostra os momentos de tensão. O instrutor chega a rezar uma Ave Maria para que tudo acabe bem e pede que Franzin o acompanhe na oração. "Mostre para mim o caminho, meu Deus", pede ele.

Antes do problema, o voo seguia descontraído. "Que coisa fantástica", chegou a exclamar Franzin sobre a vista. Um pouco antes de entrar na nuvem, Souza larga o controle do parapente para manejar a câmera de vídeo.

Ao ficar sem visibilidade, a tensão acabou com o clima de passeio. Souza pedia calma, mas ao mesmo tempo demonstrava estar assustado com a situação. "Meu Deus do céu, como fui deixar isso acontecer", disse. "Eu não sei onde a gente está".

Ele também perguntou se Franzin sabia nadar, quando suspeitou que estavam sobre o mar. O pouso estava planejado para acontecer na praia.

Quando finalmente conseguiu sair da nuvem, Souza pousou em segurança no clube Itanhangá Golf Club, na zona oeste da cidade, a cinco quilômetros de distância da praia de São Conrado.

Veja o vídeo abaixo: