SÃO PAULO - O PM que atirou e matou um adolescente no domingo (27) na região da Vila Medeiros, zona norte de SP, foi preso e encaminhado nesta segunda-feira (28) para o presídio militar Romão Gomes, também na zona norte. Segundo a PM, ele vai responder por homicídio culposo (sem intenção de matar).

O policial, que não teve o nome divulgado pela PM, é um soldado que foi até a região atender uma ocorrência de perturbação do sossego. De acordo com a PM, por volta das 14h os policiais foram até o local quando suspeitaram de dois rapazes e decidiram abordá-los.

"Por motivo a esclarecer", disse a PM, houve um "disparo acidental" da arma de um dos policiais, que atingiu um adolescente de 17 anos no tórax. Ele foi levado ao hospital do Jaçanã, mas não resistiu ao ferimento e morreu.

A morte do jovem gerou uma série de protestos no bairro com ao menos três ônibus e um carro incendiados, além de outros veículos depredados. As manifestações começaram no domingo por volta das 18h40 quando um grupo promoveu pequenos incêndios na avenida Mendes da Rocha, mas foi dispersado por policiais.

Cerca de uma hora depois, porém, três ônibus foram incendiados próximo ao cruzamento das avenidas Edu Chaves e Roland Garros. O fogo atingiu a rede elétrica, causando o corte de energia na região. Com a falta de luz, cerca de 300 pessoas começaram a saquear comércios no local, segundo a PM.
Um suspeito foi detido e três adolescentes apreendidos suspeitos de furto a lojas e depredação. Eles foram levados pela PM ao 73º Distrito Policial (Jaçanã).