A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu há pouco julgar um habeas corpus (HC) para analisar a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Nessa segunda-feira (24), o ministro Gilmar Mendes, que pediu vista do processo que trata da questão, pediu adiamento do caso, mas voltou atrás no início da sessão desta tarde e entendeu que a liberdade de Lula deve ser analisada.

O pedido para que o caso seja julgado nesta tarde foi feito pelo advogado Cristiano Zanin, representante de Lula. Ao concordar em votar a questão, Gilmar Mendes adiantou que deverá propor a concessão de uma liminar para soltar o ex-presidente até que o STF decida o caso definitivamente. Neste momento, os ministros decidem se a manifestação de Gilmar será acolhida.

Lula está preso desde 7 de abril do ano passado na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, depois de ter sua condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal 4ª Região (TRF4), que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

Leia mais:
Segunda Turma do STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
Raquel Dodge se mostra contrária a pedido de anulação da ação que condenou Lula