A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Cármen Lúcia, negou nesta terça (11) pedido feito pelo deputado Delegado Waldir (PR-GO) para suspender as trocas de parlamentares na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, colegiado responsável por votar relatoria sobre o prosseguimento da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o presidente Michel Temer no Supremo.

No mandado de segurança, o parlamentar alegou que o PR não poderia substituí-lo por outro deputado na comissão. A íntegra da decisão da ministra ainda não foi divulgada.

De acordo com a Constituição, a denúncia apresentada contra Temer somente poderá ser analisada pelo STF após o voto favorável, em plenário, de 342 deputados, o equivalente a dois terços do número de membros da Câmara. Na CCJ, será votado um parecer, favorável ou não, à abertura do processo, mas a decisão final cabe ao plenário da Casa.

Leia mais:
Maia apela a deputados para que denúncia seja votada o mais breve possível
Para garantir votos, governo faz nova troca na CCJ e reforça 'tropa de choque'
Relator de denúncia contra Temer questiona troca de membros na CCJ para beneficiar presidente