A Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) deverá ir a leilão em 2022. A estatal que opera, dentre outras praças, o metrô de Belo Horizonte, passa a integrar o programa de Parcerias de Investimentos da Presidência da República (PPI) e o Programa Nacional de Desestatização (PND), conforme publicação no Diário Oficial da União, nesta segunda-feira (24). 

Isso significa que a companhia poderá ser repassada à iniciativa privada por meio de leilão. A publicação, inclusive, já estabelece o cronograma para o processo de desestatização da companhia. A previsão é que o edital seja publicado no segundo semestre de 2021, e que o leilão aconteça no primeiro semestre de 2022. 

Junto à CBTU, está prevista também a desestatização da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A. (Trensurb). Neste caso, a previsão é que o edital seja publicado no primeiro semestre de 2021 e o leilão aconteça no segundo semestre do mesmo ano. 

Dentre as justificativas que constam na resolução, estão "a necessidade de ampliar as oportunidades de emprego e estimular o desenvolvimento econômico nacional" e a "melhoria dos serviços prestados". 

Por meio de nota, a CBTU informou que irá seguir o cronograma estimado pelo governo federal. 

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Transportes e Obras Públicas,informa que já vem realizando conversas com o Ministério do Desenvolvimento Regional e a Secretaria Nacional de Mobilidade desde o início desta gestão, para tratar da questão do Metrô da Região Metropolitana de Belo Horizonte. A qualificação da CBTU no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência da República é um desdobramento natural daquilo que o Governo Federal já vinha sinalizando nessas tratativas.

Leia mais:

CBTU diz que vai apurar a ação dos empregados que não se apresentaram nesta sexta
Educação, saúde, serviços e transporte: veja o que deve ser afetado pela greve geral nesta 6ª em BH