O novo presidente da Câmara dos Deputados vai ser eleito nesta sexta-feira (1º), em votação marcada para às 18 horas, em Brasília (DF). Sete nomes devem disputar o cargo, mas esse número pode ser alterado, já que as candidaturas podem ser inseridas ou retiradas até pouco antes da disputa.

O atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), é candidato à reeleição, além de Ricardo Barros (PP-PR), João Henrique Caldas (PSB-AL), Marcel Van Hattem (Novo-RS) Marcelo Freixo (PSOL-RJ), General Peternelli (PSL-SP) e o atual primeiro-vice-presidente da Câmara, o deputado reeleito Fábio Ramalho (MDB-MG).

O presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-BH), Marcelo de Souza e Silva, acredita que a bancada mineira na Câmara e representantes de entidades precisam se mobilizar em torno de um nome do Estado. “O Legislativo Federal é de extrema importância para o país e, se esse representante for de Minas, melhor ainda”, avalia.

Marcelo de Souza afirma que a entidade está apoiando a candidatura de Ramalho, "o único com chances de defender os interesses de Minas". Segundo ele, há anos o Estado não consegue emplacar um parlamentar na presidência da Casa. "O deputado sempre se mostrou competente e articulado para defender os nossos interesses. Para o Estado, vai ser um ganho muito grande”, enfatiza.

Terceiro na linha de sucessão presidencial, o presidente da Câmara dos Deputados tem o poder de definir quando e como as leis e as medidas propostas pelo governo serão votadas.

Posse 

Os deputados eleitos para a 56ª legislatura da Câmara dos Deputados serão empossados nesta sexta-feira (1º), às 10 horas, em sessão no Plenário Ulysses Guimarães.

A eleição de 2018 trouxe a maior renovação na Câmara desde a redemocratização: 47,37%, segundo cálculo da Secretaria-Geral da Mesa. Em números proporcionais, é a maior renovação desde a eleição da Assembleia Constituinte, em 1986.

No Plenário, os 513 eleitos responderão à chamada nominal e farão o juramento de “manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro, sustentar a união, a integridade e a independência do Brasil”.

Das 513 cadeiras disponíveis na Casa, 243 serão ocupadas por deputados "novos" (de primeiro mandato), 251 foram reeleitos e 19 dos eleitos já foram deputados em legislaturas anteriores.