Carros malvados demandam nomes malvados. E a Dodge sabe como poucos conceber automóveis de índole diabólica, como também batizá-los com alcunhas aterrorizantes. Quem não se lembra do Matador de 1959 ou famoso Viper? Agora a Dodge resolveu batizar a versão mais furiosa do Challenger SRT com o sobrenome Demon – a exemplo da versão cupê do Dart, em 1971.

O “demônio” da Dodge foi projetado para competições de quarto de milha (0 a 400 metros), extremamente populares nos Estados Unidos. O enorme V8 6.2 (dotado de compressor mecânico) do furioso Hellcat teve seus já nada modestos 716 cv elevados para 851 cv e um torque absurdo de 106 mkgf para lhe garantir uma velocidade de 0 a 100 km/h em 2,3 segundos e o quarto de milha em 9,6 segundos a elevados 225 km/h. 

Sem exageros, é um desempenho semelhante ao de um jato executivo no momento da decolagem. Toda essa força permite que o Demon também seja capaz de largar com as rodas dianteiras empinadas (no chamado wheelie) em até 89 centímetros, provando que a cena do Dodge Charger R/T em “Velozes e Furiosos” não era ficção. 

Os truques do diabo

Parte do ganho de força do motor também vem de um sistema de admissão de ar em três vias, sendo que uma dessas utiliza ar-condicionado para resfriar o ar e elevar o volume entre as câmaras, num sistema batizado de SRT Power Chiller. Em tese, faz praticamente o que intercooler faz com o turbocompressor.

A Dodge garante que nenhum carro de produção consegue tempo tão baixo para vencer os 400 metros. Mas para chegar à marca, o Challenger Demon conta com uma série de auxílios, como assistente de largada (Drag Mode Launch) que bloqueia o diferencial traseiro para que o “piloto” suba o giro do motor e o solte sem que os pneus do tipo Nitto NT05R (para arrancada), nas medidas 315/40 aro 18, patinem, retardando a largada. Ele atua junto com os amortecedores Bilsten, que elevam a carga nas rodas traseiras para elevar também a aderência na largada.

Peso

O Challenger SRT Demon não é um carro leve. Seu motor gigante e o enorme compressor de 2.7 litros contribuem significativamente para seus quase 2 mil quilos. Mesmo assim, a Dodge garante que conseguiram reduzir 200 quilos do bólido com a remoção dos bancos do passageiro e traseiro, pistões de freio mais leves, sistema de áudio eliminado e até mesmo os sensores de estacionamento foram retirados, não amaciando, porém, seu preço, estimado em US$ 100 mil (R$ 320 mil).

Com produção limitada a 3.300 unidades, sendo que 300 serão destinadas ao mercado canadense, o Challenger Demon ainda conta com um kit que inclui par de pneus de banda estreita para reduzir o atrito no eixo dianteiro, assim como 0 macaco hidráulico, bomba de ar, dentre outros equipamentos e ferramentas para que depois da farra o corredor possa ir embora exibindo a “viatura do tinhoso”.