O mafioso Francesco "Frank" Cali, líder da família Gambino, foi assassinado a tiros na noite da quarta-feira (13), em frente à sua casa, em Nova York, nos Estados Unidos, de acordo com informações da polícia local.

Cali, de 53 anos, foi baleado seis vezes no peito, por volta das 21h20 (22h20 em Brasília). O jornal New York Daily News afirma que o mafioso, também conhecido como "Frank Boy", também foi atropelado por uma caminhonete na qual fugiram os agressores.

O mafioso foi transferido para o Hospital da Universidade de Staten Island, onde foi declarado morto. O incidente ocorreu em frente à casa de Cali, no bairro de Todt Hill, em Staten Island, conhecido pela influência de mafiosos.

A família Gambino, uma das cinco que compõem a máfia siciliana de Nova York junto aos Genovese, Lucchese, Colombo e Bonanno, chegou a ser considerada a maior organização criminosa dos Estados Unidos dedicada a todos os tipos de atividades criminosas até sua decadência, na década de 1990, por conta das ações das autoridades americanas.

O assassinato de Cali é o primeiro em décadas de um chefe da máfia em Nova York e o de um líder da família Gambino desde de que John Gotti, em 1985, ordenasse a morte de Paul Castellano para tomar o poder da organização.

Gotti foi detido no final de 1990 graças à colaboração de seu segundo em comando, Salvatore Gravano, com o FBI, uma relação que provocaria a queda de vários chefes da máfia e fez com que a família Gambino perdesse grande parte do seu poder. Gotti morreu na prisão em 2002.

De pais sicilianos de Palermo, Cali nasceu em Nova York em 1965 e desde jovem esteve envolvido na máfia nova-iorquina. Entre 2008 e 2009 cumpriu 10 meses de prisão por um crime de extorsão.

Segundo a imprensa nova-iorquina, Cali assumiu a chefia da família Gambino em 2015, substituindo Domenico Cefalu.

As autoridades americanas e italianas o consideraram membro da Cosa Nostra e embaixador em Nova York de famílias mafiosas na Sicília.