Chocolate suíço: Porsche 911 RSR “Toblerone” fez sucesso nas pistas e trilhas europeias

Marcelo Jabulas
@mjabulas
10/09/2021 às 08:13.
Atualizado em 05/12/2021 às 05:51
 (Porsche/Divulgação)

(Porsche/Divulgação)

Quando se pensa em monopostos da McLaren, mal nos lembramos das cores atuais da escuderia. O que reside na memória é a imortal combinação vermelho e branco do cigarro Marlboro. O mesmo é válido para o preto e dourado da Lotus 97T, o azul e laranja da petrolífera Gulf, no Porsche 917, assim como 935 “Moby Dick”, branco com faixas azuis e vermelhas da Martini Racing e claro, o <CF36>rosso corsa</CF> da Scuderia Ferrari.

São pinturas de guerra que fazem desses carros reconhecíveis facilmente. Um desses automóveis icônicos é o 911 Carrera RSR Toblerone. Esse carro iniciou sua trajetória nas mãos do piloto suíço Bernard Chenevière, para disputar o Grupo 4 da FIA. 

Para bancar a temporada, o piloto bateu na porta da Interfood, que lhe entregou 100 mil francos suíços em troca da logomarca do famoso chocolate triangular. A grana garantiu acesso a Chenevière ao circuito de turismo que fervilhava na Europa, dos anos 1970.

O “chocolate voador” disputou provas como as 24 Horas de Nurburgring, assim como as 24 Horas de Le Mans e conseguiu bons resultados, ficando a frente de equipes muito mais estruturadas. Em Sarthe, ele completou a prova com 313 voltas e média de velocidade de 177 km/h. Um performance considerável, ainda mais durante a segunda metade dos anos 1970, em que a média de voltas em Le Mans variava de 310 a 350, no intervalo de 24 horas.

Ajustes

Com o passar dos anos, o motor 2.8 de 300 cv do RSR ganhou modificações. Em 1977, o carro recebeu turbocompressor para dar conta de acompanhar o 930 Turbo e os demais competidores. O carro ainda recebeu body kit do 934, com para-lamas traseiros alargados pra acomodar as novas bitolas e pneus mais largos.

O Porsche Toblerone sofreu acidentes, precisou de reparos, disputou ralis durante os anos 1980, mudou de cor e se aposentou no Museu do Automóvel de Genebra. No final dos anos 1990, ele comprado por um colecionador que resolveu dar-lhe vida nova.

O carro foi meticulosamente restaurado preservando sua “embalagem” de chocolate, com direito aos mesmos adesivos de patrocínio, rodas e tudo mais que ele tinha em 1974. A última notícia é de que o carro pertence a um piloto amador. E que ele desfila com seu Toblerone em eventos automotivos na Europa, deixando todo mundo com água na boca.

Assista também!

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por