Os cientistas sociais brasileiros vivem a expectativa de “tempos de mudanças”, sentem “incertezas e angústias” quanto à sobrevivência e ampliação do campo de atuação da inteligência no país a partir de 2019, quando assume o novo presidente da República a ser escolhido no próximo domingo (28). A avaliação é do cientista político Fabiano Santos, presidente da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs) que, na noite desta terça-feira (22), participou da abertura da reunião anual da entidade, regularmente realizada em Caxambu, no sudeste de Minas Gerais (a 380 km de Belo Horizonte).

O encontro este ano reúne mais de mil cientistas sociais que apresentarão seus trabalhos em uma centena de mesas redondas, grupos de trabalho e simpósios de pesquisa e colóquio.

Em entrevista à Agência Brasil, o professor do Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) mostrou-se preocupado com a atual “asfixia econômica” e com a possibilidade de mais cortes de verbas para o ensino e a pesquisa “para fazer ajuste fiscal”, como ocorre, segundo ele, desde a recessão econômica iniciada em 2014. “É importante notar que isso é um trabalho, de décadas, de construção de um parque científico e tecnológico que muita contribuição dá ao desenvolvimento brasileiro, inclusive no âmbito das ciências sociais”, destacou Fabiano Santos.

Intolerância e incompreensão

Segundo ele, a redução de investimentos ocorre, muitas vezes, pela incompreensão no mundo político e na sociedade sobre o papel e a importância da sociologia, antropologia e ciência política. “A contribuição das ciências sociais é essencial no sentido de pacificação, estabilização, no sentido de encontrar caminhos de desenvolvimento”, lembrou Santos.

O cientista político também falou sobre riscos de que incidentes de intolerância social e violência continuem ocorrendo nas universidades. “Não é possível pensar numa trajetória do país para desenvolver e aprofundar a sua democracia com episódios de violação [de direitos] nos quais a universidade é tida como lugar em que é possível a intolerância e a violência. Não há paralelo em países desenvolvidos no qual a universidade não é vista como algo fundamental, um lugar de reflexão crítica e plural”.

O antropólogo Otávio Velho, professor emérito do Museu Nacional (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e presidente de honra da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), defendeu aproximação dos cientistas sociais com as representações das demais áreas de conhecimento científico e com a SBPC.

Durante exposição na abertura do evento, ele lembrou que a Anpocs foi criada em 1977 e que, durante a ditadura militar, a comunidade científica sempre achou interlocutores. Segundo ele, foram feitas “coisas boas no passado e isso vai continuar acontecer conosco”. Tentando evitar o pessimismo, Velho ponderou: “não podemos projetar o que aconteceu num futuro que não sabemos o que nos aguarda”.

Em entrevista à Agência Brasil, Otávio Velho assinalou preocupação com as populações estudadas pelas ciências sociais. “No caso da antropologia particularmente, que é a minha área, nos preocupamos com visões colocadas em relação às minorias étnicas, sobretudo em relação aos índios e aos negros. É importante que a posição desses grupos na sociedade brasileira seja cada vez mais reconhecida e valorizada como sendo uma riqueza do patrimônio nacional”.

Propostas dos presidenciáveis

Nos programas de governo disponíveis no site do TSE, os dois candidatos que disputam o segundo turno das eleições presidenciais trazem propostas para as áreas de ensino pesquisa e tecnologia.

Jair Bolsonaro (PSL) avalia que “o modelo atual de pesquisa e desenvolvimento no Brasil está totalmente esgotado” e que “as universidades, em todos os cursos, devem estimular e ensinar o empreendedorismo”. Segundo o programa de governo, os egressos do curso superior precisam sair da faculdade “pensando em transformar o conhecimento obtido (...) em produtos, negócios, riqueza e oportunidades”. Para o candidato, “o Brasil deverá ser um centro mundial de pesquisa e desenvolvimento em grafeno [condutor de calor e eletricidade] e nióbio [utilizado em ligas metálicas], gerando novas aplicações e produtos”.

Fernando Haddad (PT) propõe a implementação de plano decenal para viabilizar investimentos “tanto governamentais quanto empresariais” em pesquisa científica (meta de 2% do PIB). O candidato defende “a recomposição e ampliação do Sistema Nacional de Fomento de Ciência, Tecnologia e Inovação”, a associação entre “universidades e centros de excelência em pesquisas públicas e privadas” em “áreas estratégicas” como manufatura avançada, biotecnologia, nanotecnologia, fármacos, energia e defesa nacional.