Um homem armado suspeito de participação no atentado à redação da revista Charlie Hebdo, em Paris, está mantendo pelo menos cinco pessoas como reféns em um mercado kosher da capital francesa, segundo um policial, que falou sob condição de anonimato. O ataque, ocorrido na quarta-feira, deixou 12 mortos.

De acordo com o policial, o homem disparou tiros no interior do mercado e declarou "você sabe quem sou eu".

A polícia francesa divulgou a foto de Amedy Coulibaly, de 32 anos, como suspeito no assassinato de uma agente policial, ontem, e a fonte policial o identificou como o homem encurralado no mercado. O policial também afirmou que alguns reféns foram feridos com gravidade.

A fonte disse ainda que o homem armado tem como cúmplice uma mulher chamada Hayet Boumddiene. Fontes: Associated Press e Dow Jones Newswires.

Ele entrou com uma kalashnikov AK-47 e teria disparado, deixando feridos no local. As informações iniciais dão conta de que duas pessoas morreram nesse ataque. A descrição inicial da ação é semelhante ao atentado de Montrouge na quinta-feira.

Informações desencontradas citam que o supermercado poderia ser ligado à comunidade árabe ou à comunidade judaica.