“Se o ex-presidente Lula for candidato a presidente ele prestará um desserviço a ele próprio e não reproduzirá o bom momento de popularidade que ele merecidamente recebeu por conta de um bom governo”, a afirmação é do ex-ministro Ciro Gomes, já em pré-campanha à Presidência da República. Para Ciro, o Lula “balizará o debate brasileiro ao redor dele, com ódios, paixões e rancores e o Brasil não terá um minuto para discutir neste grave momento”.

Ciro Gomes esteve neste sábado (26) em Belo Horizonte, na convenção municipal do PDT, legenda à qual se filiou em 2015. Esteve em Porto Alegre na quinta (24) e em Contagem na sexta-feira (25). De Belo Horizonte seguiu para Governador Valadares e Montes Claros. Na Câmara Municipal, onde foi recebido por uma discreta militância e lideranças locais, disse que gostaria que seu vice, em uma provável candidatura, fosse um mineiro. “Mas não sei quem é ainda. Estamos reestruturando o partido em Minas”, resumiu.

Com um discurso que qualificou como “nacional desenvolvimentista”, Ciro apontou erros na gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, principalmente na condução da economia. De acordo com ele, depois de um período de estabilidade mundial, a ex-presidente errou ao nomear Joaquim Levy como ministro da Fazenda, com as chamadas políticas neoliberais. “Ninguém mais defende este monstruoso equívoco. Este receituário imbecil arrebentou os Estados Unidos em 2008. Imagina num país frágil como o Brasil?”, acusou.

Mas Ciro também não poupou críticas ao presidente Michel Temer. “Ele só fez agravar esta ortodoxia imbecil que acha vai resolver os problemas do país mantendo juros altos, desindustrializando o país e expulsando o povo do mercado de trabalho.”

Lava Jato

Ciro Gomes reconheceu a Operação Lava Jato pode ser uma virada de página muito importante para a história do Brasil onde “a impunidade é o prêmio para o banditismo de alto nível.” Mas ressaltou que tem se mantido vigilante com a distorção de pessoas que se deixam levar pelo “aplauso muito fácil, muita homenagem, muita gravata-borboleta e viagens para poderem se exibir”. Segundo ele, é preciso cautela, pois muitas das decisões são anuladas pelos tribunais superiores, o que pode frustrar a população.

A respeito de uma polêmica com o juiz Sérgio Moro, Ciro desmentiu qualquer ameaça atribuindo a boatos na internet o fato de que receberia o juiz responsável pelos processos da Lava Jato à bala. Perguntado como receberia Moro em casa, reagiu bem-humorado: “Se eu tiver feito alguma coisa errada eu dou as mãos para ele passar as algemas. Se eu for inocente eu mando ele à PQP...”