Após rumores de que empresários estariam por trás da greve dos caminhoneiros, iniciada na última segunda-feira (21), a Confederação Nacional do Transporte (CNT) decidiu se manifestar por meio de nota, dizendo que "não participa, não incentiva e não apoia paralisações de caminhoneiros". A Instituição diz ainda que não tem conhecimento de participação de empresas no movimento grevista e, se houver, o empresário responsável deverá ser punido.

A confederação esclarece que presença de representante da CNT nas reuniões com o governo federal, nos últimos dois dias, foi "a convite do Palácio do Planalto e como integrante do grupo de interlocução com as entidades representativas dos motoristas autônomos de caminhão, em busca de uma solução que levasse ao fim das paralisações".

A greve dos caminhoneiros, que provocou desabastecimento de combustíveis e diversos produtos nas cidades brasileiras, tem como reivindicação o corte nos impostos do diesel, cujo preço tem aumentado consideravelmente nas últimas semanas. Entidades que representam empresários, como a Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg) e a Associação Mineira de Supermercados (Amis), demonstraram apoio à greve.  

Leia mais:
Prefeito de Betim e dono do Grupo Sada, Vittorio Medioli, apoia manifestação dos caminhoneiros
Luisa Mell faz apelo para que caminhoneiros alimentem ou soltem animais
Três voos são cancelados em Confins por falta de combustível
Cidades mineiras já decretam emergência por falta de combustível