Com previsão de receber 100 mil visitantes e movimentar R$ 8 milhões em negócios até o próximo domingo, a maior feira da agricultura familiar mineira, a AgriMinas, começa hoje em Belo Horizonte. Ingressos estão à venda na bilheteria, por R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).

Realizada pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg), uma das novidades da 13ª edição da feira é o local: o Expominas, no bairro Gameleira, região Oeste da capital. A mudança de endereço se deu para possibilitar a presença de mais expositores. Ao todo, serão 600 produtores rurais, de todas as regiões do Estado. O número representa um aumento de 20% com relação à mostra de 2018.

Outro dado novo neste ano é o número de mulheres expositoras, que ultrapassou o de homens, chegando a 61%. Para o idealizador da AgriMinas, Vilson Luiz, “as trabalhadoras rurais, que têm jornadas duplas ou triplas de trabalho, querem mostrar a sua produção. E este é o objetivo do evento, ser uma vitrine”. Em 2017, elas eram minoria e, no último ano, conquistaram um espaço semelhante ao do gênero masculino.

Além disso, Vilson ressalta que a feira cumpre um papel social, econômico e ambiental, tira o agricultor do anonimato e mostra à sociedade que ele gera renda, emprego e alimentos. “É um segmento importante, somos 70% do Brasil”, diz. Os produtores são selecionados via associações e cooperativas de Minas.

A maior parte dos alimentos expostos é produzida de maneira orgânica ou agroecológica, dispensando o uso de agrotóxicos. “Queremos mostrar que conseguimos, sim, produzir sem veneno”, defende Vilson.

O público irá encontrar hortaliças, frutas, legumes, iogurtes, queijos, cafés, avicultura caipira, doces, cereais e artesanatos, entre outras várias mercadorias. “A gente tenta trazer tudo o que está sendo produzido no campo para BH”, diz o fundador da iniciativa.

Participantes

Agricultora de Divinópolis, na região Centro-Oeste de Minas, Rosângela Rodrigues participa da feira há dez anos. Ela acredita que a Cooperativa dos Produtores da Agricultura Familiar de Divinópolis (Cooprafad) irá trazer a BH entre 3 mil e 4 mil quilos de mantimentos e aponta vários avanços desde a estreia na AgriMinas.

“Evoluiu principalmente o nosso conhecimento. A gente aprende muito com o diálogo entre as cooperativas. Também fizemos novos clientes e, hoje, somos mais organizados com relação à burocracia e à legislação, pois recebemos o suporte da Fetaemg”, relata Rosângela.

Já a presidente da Associação dos Agricultores Familiares de Cipotânea, na Zona da Mata, Cecília Miranda, expõe na AgriMinas desde a edição pioneira. Para ela, entre as principais conquistas durante os 13 anos estão os novos contatos. “Trouxemos muita gente para conhecer nossa região”, conta.

Neste ano, Cecília será representada por colegas da associação. Uma delas é a Maria Francisca Vieira Moreira, artesã, que trará cestas, bolsas e baús feitos com palha de milho. “Estamos com boas expectativas de venda porque sempre voltamos satisfeitos da feira”, declara Cecília.

SERVIÇO
AgriMinas
Data: De quarta a domingo, 7 a 11 de agosto
Horário: Quarta, das 18h às 22h / Quinta e sexta, das 14h às 22h / Sábado, das 8h às 22h / Domingo, das 8h às 18h
Endereço: Expominas (Av. Amazonas, 6.200 - Gameleira, BH)
Ingressos: Na bilheteria da feira, por R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia); entrada gratuita para crianças até dez anos e idosos acima de 60