Conselho de secretários de Saúde afirma que não exigirá prescrição médica para vacinar crianças

Da Redação
portal@hojeemdia.com.br
24/12/2021 às 13:45.
Atualizado em 29/12/2021 às 00:37
 (Myke Sena/ MS)

(Myke Sena/ MS)

Secretarias de Saúde não devem exigir receita médica para vacinar crianças de 5 a 11 anos. A informação consta de uma "carta de Natal" divulgada pelo Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) nesta sexta-feira (24).

A decisão do Conass chega após o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ter afirmado na noite dessa quinta (23), que a pasta autorizará a imunização de menores de 12 anos desde que seja apresentada prescrição médica e um "termo de consentimento livre esclarecido".

"O documento que vai ao ar recomenda a vacina da Pfizer. Nossa recomendação é que não seja aplicado de forma compulsória. Essa vacina estará vinculada a prescrição médica, e a recomendação obedece às orientações da Anvisa", disse Queiroga.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, em 16 de dezembro, o uso do imunizante da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos no Brasil.

Recado em forma de carta
O conselho que reúne os secretários de Estado de Saúde de todo o país usou uma forma lúdica para tratar o tema da vacinação de crianças.

Em carta de Natal dirigida aos pequenos, o Conass fala sobre os problemas causados pelo coronavírus neste ano e que as melhoras só são possíveis graças aos imunizantes.

"O ano foi passando, as dificuldades foram diminuindo e a gente finalmente conseguiu a proteção que os papais e as mamães já possuem: a vacina contra a Covid-19 para crianças", diz trecho do documento divulgado nesta sexta.

O conselho pede ainda que os jovens alertem os pais para a imunização sem necessidade de receita médica, contrariando a decisão do ministro Marcelo Queiroga. "Avisem aos papais e às mamães: não será necessário nenhum documento de médico recomendando que tomem a vacina. A ciência vencerá. A fraternidade vencerá. A medicina vencerá e vocês estarão protegidos".

O Hoje em Dia solicitou um posicionamento do Ministério da Saúde e aguarda uma resposta.

Leia a íntegra da carta de Natal do Conass às crianças:

Queridas crianças do Brasil,O ano não foi fácil. Os papais e as mamães de vocês passaram por inúmeras dificuldades. Empregos foram perdidos, tudo ficou caro, foi difícil iniciar a vacinação contra o coronavírus. Por conta disso, muitos parentes e muitos amigos viraram estrelinhas Mais de 400 mil apenas este ano.Vocês devem ter se acostumado a falar de coronavírus e, por conta dele, passaram a usar máscaras até para ir para a escola. A gente sabe que máscara não é algo confortável, mas elas são usadas para protegê-los.O ano foi passando, as dificuldades foram diminuindo e a gente finalmente conseguiu a proteção que os papais e as mamães já possuem: a vacina contra a Covid-19 para crianças!Eu sei que ninguém gosta de agulhas, mas vocês não precisam ter medo! Os cientistas do mundo inteiro apontam a segurança e eficácia da vacina para crianças! Ela inclusive já começou a ser aplicada em meninos e meninas de vários países do mundo.Infelizmente há quem ache natural perder a vida de vocês, pequeninos, para o coronavírus. Mas com o Zé Gotinha já vencemos a poliomielite, o sarampo e mais de 20 doenças imunopreveniveis. Por isso no lugar de dificultar, a gente procura facilitar a vacinação de todos os brasileirinhos.E é esse recado que queremos dar no dia de hoje, véspera de Natal: quando iniciarmos a vacinação de nossas crianças, avisem aos papais e às mamães: não será necessário nenhum documento de médico recomendando que tomem a vacina. A ciência vencerá. A fraternidade vencerá. A medicina vencerá e vocês estarão protegidos.Que o Papai Noel traga neste ano muito amor, alegria, abraços, diversão e PROTEÇÃO contra a COVID-19. E que todos possam compartilhar esses presentes com o papai e a mamãe.Feliz Natal!

Leia mais:

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por