Construir no Brasil está 13% mais caro, diz levantamento da FGV

Agência Brasil
26/01/2022 às 12:11.
Atualizado em 30/01/2022 às 01:06
 (Fernando Frazão/ Agência Brasil)

(Fernando Frazão/ Agência Brasil)

O Índice Nacional de Custo da Construção – Mercado (INCC-M) variou 0,64% em janeiro, percentual superior ao apurado no mês anterior, quando o índice registrou taxa de 0,30%.

Com este resultado, o índice acumula alta de 13,7% em 12 meses. Os dados foram divulgados nesta querta-feira (26) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV).

Em janeiro de 2021, o índice subiu 0,93% no mês e acumulava alta de 9,39% em 12 meses. A taxa do índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços passou de 0,49% em dezembro para 1,09% em janeiro. O índice referente à Mão de Obra variou 0,14% em janeiro, contra 0,10%, em dezembro.

Segundo a pesquisa, no grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, a taxa correspondente a materiais e equipamentos subiu 1,05% em janeiro, após variar 0,48% no mês anterior. Dois dos quatro subgrupos componentes apresentaram acréscimo em suas taxas de variação, destacando-se materiais para estrutura, cuja taxa passou de -0,45% para 0,66%.

“A variação relativa a serviços passou de 0,57% em dezembro para 1,28% em janeiro. Neste grupo, vale destacar o avanço da taxa do item taxas de serviços e licenciamentos, que passou de 0,00% para 4,81%”, diz o Ibre/FGV.

A taxa de variação referente ao índice da Mão de Obra variou 0,14% em janeiro, ante 0,10% em dezembro.

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por