O coronavírus COVID-19 já causou danos a indústria automotiva na Europa, China e até no México, com suspensões de produção, quedas de vendas e até falta de componentes. Por aqui, as operações seguem em ritmo normal, como afirma a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Segundo a entidade que agrega as montadoras locais as operações ainda não foram impactadas por falta de componentes ou por trabalhadores infectados. Segundo a Anfavea, as marcas adotaram medidas para evitar riscos de contágio reforçando as recomendações de higiene e mantendo funcionários, que estiveram no exterior, em quarentena. No entanto, a associação aponta que cada fábrica tem autonomia para interromper atividades caso seja necessário.

Lá fora, os efeitos da pandemia atingiu marcas como Fiat e Lamborghini anunciaram paralisação da produção na Itália. Procurada, a FCA, que suspenderá suas atividades na Itália, afirma que não há a operação no Brasil segue normal. 

De acordo com a assessoria do grupo ítalo-americano o índice de nacionalização de componentes, na casa de 90%. Segundo a FCA, é um fator que contribui para manutenção das atividades, uma vez que o volume de peças que vêm de fora é baixo, reduzindo risco de desabastecimento.

Mesmo assim, as unidades de Betim (MG) e Goiana (PE), além dos demais escritórios do grupo reforçaram medidas preventivas de higiene e suspenderam viagens para o exterior. Outro fabricante que também adotou as mesmas medidas foi a japonesa Nissan, que também afirma que as atividades na unidade de Resende (RJ) seguem normais. 

Nota oficial
Já a Volkswagen emitiu nota que informa que: no momento não há impacto em sua produção em razão do coronavírus. A empresa continua monitorando de perto a evolução do tema e avaliando possíveis riscos no fornecimento de peças para as próximas semanas. Em relação aos seus funcionários, a Volkswagen segue adotando medidas de comunicação para prevenção, adiamento de viagens para locais com alta incidência e recomendação de trabalho remoto para casos específicos.

A General Motors também se manifestou por meio de nota em que afirma que: A GM está atenta ao avanço do coronavírus e suas implicações na cadeia produtiva junto aos fornecedores globais. Até o momento, nossa produção local não foi impactada.

Efeitos colaterais
Se a produção de automóveis ainda segue ritmo normal, algumas marcas resolveram cancelar eventos de lançamento nos próximos dias. A Ford suspendeu a apresentação da picape Ranger Storm e a Volvo também cancelou evento de lançamento do SUV XC40 híbrido. 

Por outro lado, a General Motors mantém a apresentação para a imprensa do novo Chevrolet Tracker, programada para a próxima semana. Já a Fiat, que lançará a nova geração da Strada, na primeira quinzena de abril, afirma que tem sido feito monitoramento e reuniões diárias sobre o avanço da pandemia, mas por hora o cronograma segue de pé.