A Capitania dos Portos do Amapá anunciou, em nota, que o corpo de uma criança foi encontrado em área próxima ao naufrágio que aconteceu neste sábado (12), com uma embarcação que afundou durante o Círio Fluvial em Macapá. A capitania, no entanto, afirmou que não há confirmação de que a criança estava a bordo. A nota oficial da Marinha dá conta de nove mortos no acidente. Ainda de acordo com a Capitania dos Portos, um inquérito foi aberto inquérito para apurar o acidente, com prazo de 90 dias para a conclusão. O naufrágio aconteceu próximo ao Igarapé das Pedrinhas, na orla da capital amapaense.

Os bombeiros retomaram no início da manhã desta segunda as buscas pelas vítimas de naufrágio em Macapá. Entre as vítimas fatais do naufrágio está a mineira Marli Lourenço Dias, de 67 anos. Havia ainda ao menos cinco desaparecidos, incluindo a filha e o neto de Marli: a mineira de Belo Horizonte Marliana Dias Ferreira e o filho dela, Ranier Benjamim, nascido no Amapá.

O marido de Marliana, Samuel Benjamin Pinheiro, e a outra filha, Mariana, sobreviveram. Mergulhadores passaram a tarde de ontem no local tentando içar o barco.

O número de mortos e desaparecidos é incerto. Há desencontro entre as informações da Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp) e as do Corpo de Bombeiros.

O barco, que foi alugado pelo Sindicato dos Servidores Públicos Federais do Amapá, fazia o caminho de retorno ao município de Santana quando virou. Ao menos 50 embarcações participavam da procissão fluvial. Parte delas ajudou no resgate dos sobreviventes.

Segundo a Capitania dos Portos, a embarcação suportava 40 passageiros. O órgão informou que, conforme vistoria realizada, o barco deixou o município de Santana com 40 passageiros e três tripulantes, mas não houve uma nova contagem em Macapá. Há suspeitas de superlotação, o que ainda será investigado. 

(*) Com Estadão Conteúdo