Mirando sua candidatura à Prefeitura de Belo Horizonte no ano que vem, o deputado estadual João Vitor Xavier oficializou, nesta segunda-feira (27), sua filiação ao Cidadania (ex-PPS) e afirmou que tomou "a decisão de apresentar um projeto para a cidade".

"É uma decisão apresentar esse projeto para a cidade. Precisamos construir uma sociedade mais moderna, mais contemporânea, que converse mais de perto com as pessoas. Uma Prefeitura que esteja aberta a dialogar com todo mundo", disse o ex-tucano. Apesar do anúncio, o Cidadania ainda não formalizou o nome de João Vítor à corrida eleitoral de 2020.

O deputado, que se desfiliou do PSDB há um mês por uma série de divergências ideológicas, recebeu o apoio de dezenas de políticos, durante cerimônia realizada no espaço de eventos do Mercado Central. Entre eles, o senador Rodrigo Pacheco (DEM) e o deputado federal Fred Costa (Patriotas). Ambos os partidos têm tendência a apoiar um eventual projeto político de João Vítor em direção à Prefeitura da capital mineira.

Questionado sobre possíveis negociações, João Vítor evitou cravar apoios entre as legendas. "Gostaria muito que estivessem (na campanha), principalmente porque são partidos liderados por pessoas de bem, no caso do senador Rodrigo Pacheco e do deputado federal Fred Costa. Mas, isso vai ser decidido com o tempo, discutindo com esses partidos no momento adequado", justificou o deputado. 

Ainda no começo dos acordos eleitorais, o DEM tenta aprovar um sinal verde à candidatura de João Vítor para a Prefeitura, em troca de apoio do deputado a uma eventual candidatura de Pacheco ao governo do Estado, em 2022. Mesmo sem confirmar sua candidatura para o Palácio das Mangabeiras, Pacheco acredita em uma aliança entre os dois partidos.

"O Cidadania é um parceiro do Democratas em Minas Gerais e podemos construir muitas pontes futuras. Hoje eu estou no Senado e não há perspectiva de eu ser candidato à Prefeitura de Belo Horizonte. O João Vítor Xavier se apresenta como um nome viável, um nome que Belo Horizonte ficaria muito bem servida se o fizesse prefeito. Se num momento oportuno, houver reconhecimento da sociedade mineira ao nosso trabalho, (candidatar ao governo) é algo que podemos considerar. Mas, não há nenhuma definição neste momento", disse Pacheco.

João Vítor também é cotado para assumir a presidência do Cidadania em Minas Gerais, segundo o presidente nacional da legenda, o deputado federal Roberto Freire. No próximo dia 26 de junho, a executiva do partido em Minas vai deliberar sobre a nova presidência. Atualmente, o Cidadania é presidido por Raimundo Benoni.

"O João Vítor está disposto a isso, a ser prefeito e a presidir o partido. Ainda é cedo para falar sobre tudo, mas ele está disposto. Então, a presença do João Vítor vai além da Prefeitura. É a fixação do Cidadania em Minas Gerais", disse Freire.

Cidadania

Em março deste ano, o Partido Popular Socialista (PPS) aprovou, durante congresso nacional extraordinário da sigla, a mudança de nome do partido para Cidadania. O presidente da legenda, o deputado federal Roberto Freire, justificou a alteração ao dizer que a "agenda socialista fracassou".

Antes de aprovar a mudança de nome para Cidadania, o PPS tentou se fundir com dezenas de outras siglas enquadradas na cláusula de barreiras, a exemplo de negociações com o PMN, MD, PSB, PHS, PV e PEN. No fim do ano passado, novas conversas foram tratadas com líderes do PV e da Rede, mas nenhuma das negociações foi para frente.