Integrantes de sindicatos ligados à Central Única dos Trabalhadores (CUT) fazem ato na manhã desta quarta-feira (22) no Aeroporto Internacional Tancredo Neves, em Confins, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, contra a lei da terceirização.
 
Conforme o secretário-geral da CUT em Minas, Jairo Nogueira, a intenção é abordar deputados que seguem para Brasília para participar da votação do Projeto de Lei 4.330, que regulamenta e amplia a terceirização no mercado de trabalho do Brasil. 
 
Para chamar atenção, os sindicalistas usam carro de som e espalharam faixas pelo chão do terminal. O protesto acontece de forma pacífica, não altera o funcionamento do aeroporto e nem prejudica o tráfego dos passageiros no espaço.
 
Além de Minas Gerais, estão previstos protestos em diversos estados do país.
 
Impasse
 
Depois de um impasse na semana passada que levou ao adiamento, os deputados devem retomar nesta quarta a votação do Projeto de Lei 4.330. O líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), afirmou na terça-feira (21), que há acordo entre partidos da base e parte da oposição para concluir a votação do projeto.
 
De acordo com ele, os partidos estão fechando consenso sobre emendas para mudar trechos do texto-base já aprovado em plenário. "Acho que tende a ser uma votação rápida porque já tem acordo", disse. 
 
O acerto envolve três pontos: a responsabilidade solidária que obriga empresas contratantes a responderem pelo pagamento de direitos trabalhistas a funcionários da terceirizada; a redução de 24 para 12 meses no tempo mínimo para ex-funcionário de empresa contratante prestar serviço como terceirizado; e cobrança de 5,5% da receita de terceirizada não especializada em fornecer mão de obra como INSS - hoje, a categoria recolhe 20% sobre a folha de pagamento.
 
*Com informações de Raul Mariano e Agência Estado