Ao buscar um plano de saúde, o consumidor poderá saber o preço médio dos produtos oferecidos por operadora, conferir se a empresa teve comercialização de planos suspensa e quanto está a relação entre a receita e a despesa da operadora, a chamada sinistralidade. As informações estão disponíveis na nova versão dos Dados Integrados da Qualidade Setorial, publicados na quinta-feira (28) pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Valem tanto para planos individuais quanto empresariais e por adesão.

"O objetivo da agência é aumentar a transparência dos dados para que os beneficiários tenham informação qualificada. É importante que os consumidores tenham mais conhecimento sobre o setor para fazer escolhas tanto na compra de um plano de saúde quanto na portabilidade", afirmou a diretora presidente substituta, Martha Oliveira. Esta é a segunda vez que a ANS publica os dados.

Entre as informações que podem ser consultadas estão a nota obtida pelas operadoras no Programa de Qualificação (Índice de Desempenho da Saúde Suplementar) e o porcentual de adimplência no Sistema Único de Saúde - as empresas têm de ressarcir o SUS quando seus segurados são atendidos em hospitais públicos. Também há indicadores de qualidade da rede, como a proporção de hospitais da operadora que têm certificado de acreditação (quando os centros médicos passaram por auditorias externas que atestam que são adotadas práticas seguras para o paciente).

Hoje há 1,4 mil operadoras de planos de saúde com registro ativo na ANS e 1,2 mil com beneficiários. Ao todo, são 50,8 milhões de consumidores em planos de assistência médica e 21,4 milhões em planos exclusivamente odontológicos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.