Dezessete testemunhas de acusação já foram ouvidas no julgamento dos réus José Alberto de Castro e Norberto Mânica, acusados de assassinato de fiscais do trabalho em Unaí no ano de 2004. Neste momento, começaram a ser ouvidas as duas testemunhas comuns entre acusação e defesa. O primeiro a falar, quinta testemunha do dia, é o gerente da fazenda de Mânica à época, que esclarece detalhes sobre o funcionamento da propriedade e a ligação do patrão com outros envolvidos no crime. O próximo a ser ouvido é Hugo Alves Pimenta, delator e réu no mesmo caso.

Das oitavas realizadas na manhã desta quarta-feira (28), a mais longa foi a do delegado da Polícia Federal Antônio Celso dos Santos, que presidiu a investigação do crime na época. Ele detalhou a investigação feita sobre o crime e apontou a ligação entre os executores e os supostos mandantes do crime.

A testemunha, ouvida por cerca de 1h30, alegou que restou comprovar na investigação que a morte dos servidores do Ministério do Trabalho e Emprego foram encomendadas pelo fazendeiro Norberto Mânica. Ponto questionado pela defesa do réu, que segue na hipótese, já tratada na terça-feira de que não há provas sobre tal hipótese.

A defesa se concentrou em tentar mostrar que uma suposta ligação telefônica entre os réus no dia do crime não ocorreu de fato entre os mesmos. Sobre isso, o advogado de José Alberto de Castro pontuou que "é possível dizer que um telefone ligou para o outro, mas não saber quem estava falando ao telefone".

Sobre o fato, o delegado da PF disse que uma equipe da polícia foi até a fazenda checar os fatos e ficou comprovado que a ligação foi para o telefone da fazenda e que os funcionários não teriam atendido o telefone, já que Norberto estava em casa.

Desde terça, quando o julgamento foi iniciado, a defesa de José Alberto e Norberto, tentam mostrar que os réus não se falaram no dia do crime, como tenta mostrar a acusação. Este também será o item questionado durante o depoimento da testemunha Hugo Alves Pimenta, que também é réu do caso.

O julgamento foi suspenso ára almoço e retorna às 13 horas com a oitiva do Hugo Pimenta.

Clique aqui e leia na íntegra a cópia da denúncia do MPF contra os acusados da Chacina de Unaí.