O delegado da 17.ª Delegacia de Polícia, Maurício Luciano de Almeida e Silva, pediu a prisão temporária do técnico de enfermagem Brivaldo Francisco Xavier, acusado de estuprar uma paciente internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital particular do Rio. O caso foi distribuído para a 27.ª Vara Criminal, mas, até o fim da tarde, não havia decisão a respeito da prisão.

Xavier foi denunciado por uma mulher de 36 anos, internada no Hospital Quinta D'Or para uma cirurgia no fígado. Ela afirmou que foi molestada por ele em dois momentos - logo depois da cirurgia, quando ainda estava sedada, e no dia seguinte, durante o momento do banho. Imagens anexadas ao inquérito mostram que Xavier entrou mais de 20 vezes no box em que ficava o leito da paciente. Numa das ocasiões, ficou mais de 30 minutos junto ao leito, com as cortinas fechadas e luzes apagadas e sem o equipamento de proteção (máscara, luvas e avental).

A paciente afirmou que, durante o banho, o técnico de enfermagem pediu que uma colega deixasse o local, e passou a tocá-la de forma imprópria, apesar dos protestos dela. Em depoimento, Xavier negou a conduta e disse que foi a colega de trabalho quem deu banho na paciente. A funcionária negou.

A Rede D'Or informou que o técnico foi demitido por justa causa. Sindicância interna aberta pelo hospital logo depois da denúncia apurou que ele quebrou o protocolo de atendimento ao ficar sozinho com a mulher durante o banho. A reportagem não conseguiu contato com a defensa de Xavier, que mora em Nilópolis, na Baixada Fluminense, mas também tem endereço em Tamoios, Distrito de Cabo Frio, na Região dos Lagos.