O senador Carlos Viana (PSD-MG) afirmou nesta terça-feira (29), que recebeu uma denúncia de que a Vale estaria ciente, há seis meses, que a barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, teria se deslocado cerca de 40 centímetros, representando, assim, alto risco geológico em seu funcionamento.

“A Polícia Federal tem essa informação e prendeu cinco engenheiros envolvidos na estruturação do projeto. Estou acompanhando de perto todo o cenário, e acredito que a Polícia Federal e o Ministério Público irão tomar as melhores decisões e descobrir o que de fato ocorreu. Se a empresa sabia dos riscos e não tomou providências, a situação fica muito mais grave”, disse Viana.

A barragem se rompeu na última sexta-feira (25) e até o momento já estão confirmados 65 mortes e 288 desaparecidos. A denúncia chegou até o senador mineiro após um movimento para a criação de uma CPI de investigação da tragédia.

A reportagem do Hoje em Dia entrou em contato com a assessoria da vale e aguarda um posicionamento da empresa sobre a denúncia.

Leia mais:
Justiça proíbe operação e ampliação de barragens em MG, inclusive as já em processo de licenciamento
Câmara cria comissão para acompanhar investigações em Brumadinho
Equipes de resgate localizam pelo menos 15 corpos perto de segundo ônibus encontrado sob a lama