Marcada para a penúltima sexta-feira deste mês (23), a Black Friday, que promete descontos incríveis em lojas físicas e on-line, perde força em Minas Gerais. O motivo da diminuição da adesão ao movimento de compras internacional é a desconfiança do consumidor com relação aos descontos oferecidos. 

Em 2018, 23,8% dos consumidores pretendem ir às compras na data. O índice é 4,5 pontos percentuais menores do que no ano passado (28,3%) e 7,1 pontos percentuais inferiores ao registrado em 2016 (30,9%).

O levantamento apontou que 53,1% dos mineiros acreditam que o comércio maquia descontos para vender mais. Outros 34,1%, em contrapartida, consideram a Black Friday um dia de promoções para esvaziar os estoques. Os números foram revelados por pesquisa da Federação do Comércio em Minas Gerais (Fecomércio Minas), divulgada nesta sexta-feira (9). 

Pesquisa
Para evitar levar gato por lebre, a maioria dos consumidores (78,6%) pesquisa antes de comprar em lojas físicas. Destes, 47,6% acompanharam os preços antes da data e 31% visitam várias lojas no dia da promoção.

Apesar da desconfiança, 52,9% afirmaram que, mesmo sem planejar, poderão ir às compras, caso os descontos sejam atrativos. 

Ticket médio
Entre os consumidores decididos a comprar, 62,2% pretendem gastar acima de R$ 500 durante as ações e 60,0% irão aproveitar os descontos para adiantar as compras para o Natal.

Queridinhos da internet
Nas lojas on-line, os eletrônicos são os queridinhos da Black Friday, com a preferência de 35,1% dos consumidores. Roupas e acessórios aparecem em segundo lugar, com 19,3% do interesse, seguidos por eletrodomésticos (15,8%), móveis (8,8%) e telefonia (5,3%).

Nas lojas físicas
Já nas lojas físicas, os eletrodomésticos são os preferidos, representando 32% das intenções de compras. Em seguida aparecem eletrônicos (16%), roupas, calçados e acessórios (14%), telefonia (12%) e perfumaria e cosméticos (12%).