Com o fraco desempenho da economia, a taxa de desemprego nas seis principais regiões metropolitanas do país subiu para 6,9% em junho, a maior para o mês desde 2010. Em maio deste ano, o desemprego estava em 6,7%. Em  junho de 2014, era de 4,8%. Os dados foram divulgados pelo IBGE na manhã desta quinta-feira (23). 
 
O mercado de trabalho tem sido pressionado por uma procura cada vez maior por emprego, num momento em que cresce o volume de demissões. Com o poder aquisitivo corroído pela inflação e pelos juros, mais brasileiros retornam ao mercado de trabalho numa tentativa de recompor a renda de suas famílias. A geração de vagas, contudo, não tem sido suficiente para absorver essa maior oferta de mão de obra. 
 
Para tentar conter as demissões, o governo anunciou o Plano de Proteção ao Emprego, que autoriza empresas a reduzir a jornada e o salário em até 30%. 
Pelo programa, o governo paga a metade da renda que o trabalhador deixaria de receber. 
 
Rendimento
O rendimento real dos trabalhadores das seis regiões pesquisadas foi de R$ 2.149 em junho, queda de 2,9% na comparação ao mesmo mês de 2014. Quando comparado a maio deste ano, houve aumento de 0,8%. A menor renda real é explicada, em parte, pelo aumento da inflação, que corrói os salários. A piora da qualidade do emprego também está por trás do número.