No início da madrugada deste sábado (16), o governo divulgou em suas redes sociais um vídeo de seis minutos e 39 segundos com um pronunciamento da presidente da República, Dilma Rousseff. O vídeo havia sido feito para ser veiculado nas redes de televisão e rádio, mas o Palácio Planalto tomou a decisão de usar apenas a internet na tarde de sexta (15).

No vídeo, Dilma ataca duramente os líderes do processo do impeachment e volta a usar a palavra golpe. Afirma que a democracia está ameaçada e agradece os milhões de brasileiros que mostraram apoio em manifestações em diferentes cidades do país. Reconhece ainda que muitos deles são opositores ao seu governo, mas contrários ao impeachment.

Leia mais:
'É mentira rasteira', rebate Temer sobre fim do Bolsa Família
Na véspera da votação de impeachment, Dilma faz ato com militância
Os riscos do impeachment para a democracia brasileira
'Estão atrasados', pressionava Cunha por propina, diz delator

Confira alguns trechos do vídeo:

“O que está em jogo na votação do impeachment não é apenas o meu mandato, que pretendo defender e honrar até o último dia, conforme estagbelecido na Constituição. O que está em jogo é o respeito à vontade soberana do povo brasileiro, o respeito às urnas”

“Os derrotados mergulharam o país em um estado permanente de instabilidade política, impedindo a recuperação da economia, com um único objetivo de tomar à força o que não conquistaram nas urnas”

“Meu nome não está em nenhuma lista de propina, tampouco sou suspeita de qualquer delito contra o bem comum. A denúncia contra mim em análise no Congresso não passa de uma fraude. A maior fraude jurpidica e política da história de nosso país.

“Querem revogar direitos e cortar programas sociais, como Bolsa Família e o Minha Casa, Minha Vida. Ameaçam até a educação pública”

“Fora do voto popular, qualquer governo será a tirania dos mais fortes, dos mais espertos, dos mais ricos, dos mais corruptos”.

“Podem justificar a si mesmos, mas nunca poderão jamais olhar nos olhos da nação, porque a palavra golpe estará para sempre gravada na testa dos traidores da democracia".