No Brasil para discutir os casos de microcefalia e sua relação com o vírus zika, a diretora-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Margaret Chan, se reúne na tarde desta terça-feira (23) com a presidenta Dilma Rousseff. Ela chegou no fim da manhã no Palácio do Planalto, e em seguida vai se encontrar com ministros no Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres, também em Brasília.

O objetivo da visita é discutir as ações do governo brasileiro no combate ao vírus zika e ao mosquito Aedes aegypti. Margaret Chan veio ao Brasil acompanhada da diretora da Organização Pan-Americana de Saúde e diretora regional da OMS para as Américas, Carissa Etienne.

De Brasília, elas seguirão para o Recife - Pernambuco é o Estado com maior número de casos de microcefalia possivelmente associados à infecção (182 casos da má-formação confirmados e 1.203 em investigação).

No início do mês, a OMS declarou emergência em saúde pública de interesse internacional, em razão do aumento de casos de infecção pelo zika em diversos países e de uma possível relação da doença com quadros de malformação congênita e síndromes neurológicas.

O Ministério da Saúde investiga pelo menos 3.935 casos suspeitos de microcefalia possivelmente associada ao vírus. Até o dia 13 de fevereiro, 508 casos foram confirmados e 837 descartados de um total de 5.280 notificações. Desde a última quinta-feira (18), a notificação de casos suspeitos de infecção pelo zika é obrigatória no Brasil.