Integrantes de um grupo antipetista hostilizaram a candidata ao senado por Minas Dilma Rousseff e Fernando Pimentel, durante a votação do governador do Estado, na Escola da Serra, na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

Escoltado por seguranças e acompanhado da vice Jô Morais, o candidato à reeleição por Minas chegou à instituição às 9h03. Confiante, Pimentel concedeu entrevista à imprensa e, enquanto falava, algumas pessoas ao fundo aproveitavam para criticar o petista.

Um carro do SAMU, que passava pela rua, virou motivo de piada. Um eleitor pediu para que o motorista parasse para levar o atual governador e o chamou de "morto". A ambulância seguiu viagem. Um pai, acompanhado do filho, menor de idade, disse ao garoto que o candidato e todos os outros filiados ao Partido dos Trabalhadores eram ladrões e que era melhor esconder a carteira.

Apesar disso, o clima no local durante a presença de Pimentel foi bastante tranquilo. A Polícia Militar, com presença reforçada, não precisou afastar nenhuma pessoa do candidato e tudo ocorreu sem boletins de ocorrência.

Dilma e seus militantes

Assim que registrou todos os seus votos, Fernando Pimentel seguiu para a Região da Pampulha, onde acompanhou a votação de Dilma Rousseff. Ex-presidente da República e candidata ao Senado por Minas Gerais, ela chegou ao colégio Santa Marcelina acompanhada por militantes do PT e também ouviu desaforos.

Apesar de estar cercada por apoiadores, que cantaram e gritaram o nome da petista, Dilma foi hostilizada por uma mulher que a chamou de vagabunda e ouviu gritos de "Bolsonaro!!", disparados por um pequeno grupo presente no local. 

Líder das pesquisas Datafolha e Ibope, Rousseff é favorita a ocupar uma das cadeiras do Senado, por Minas, a partir de 2019. Questionada sobre as expectativas, a candidata preferiu não comemorar vitória antes da hora. "Eu não acho correto considerar minha eleição antes de eu ser eleita, eu não posso dar uma resposta baseada em uma suposição. Eu respeito o voto e hoje a gente tem que esperar para saber o resultado da eleição", ponderou.