Dilma tem maior vantagem onde se recebe mais o Bolsa Família

Amália Goulart - Hoje em Dia
25/09/2014 às 08:12.
Atualizado em 18/11/2021 às 04:21
 (Editoria de Arte)

(Editoria de Arte)

A maior vantagem da candidata à reeleição, presidente Dilma Rousseff (PT), em relação aos adversários Marina Silva (PSB) e Aécio Neves (PSDB), dá-se nas regiões Norte e Nordeste, em Estados com maior número de beneficiários do programa de transferência de renda Bolsa Família.

Dos 14 estados brasileiros em que mais de 30% da população são beneficiários do programa de transferência, Dilma Rousseff (PT) lidera a disputa em 12 deles, com vantagem de até 41 pontos percentuais.

Em alguns Estados de outras regiões, como Santa Catarina, no Sul do país, a petista consegue número expressivo de votos, porém, a distância entre os demais candidatos não é expressiva.

Hoje, 23,80% da população de 201 milhões de brasileiros, de acordo com números do IBGE de 2013, são beneficiários do Bolsa Família. São 47,8 milhões de pessoas que sobrevivem complementando a renda com o recurso fornecido pelo governo federal.

A comparação foi feita pelo Hoje em Dia com base em um relatório inédito do Tribunal de Contas da União (TCU), que analisou todos os programas assistenciais do governo federal, publicando o relatório neste mês, e nas pesquisas Ibope realizadas em setembro. Foram cruzados os dados das pesquisas com o mapa da distribuição do Bolsa Família, maior programa de transferência de renda do governo federal.

A análise mostrou que o melhor desempenho nas pesquisas de intenção de votos da presidente petista é justamente nos estados em que o percentual dos beneficiários é alto em relação ao número de habitantes. A adversária mais próxima nos levantamentos de preferência dos eleitores, Marina Silva (PSB), tem resultados mais favoráveis em estados em que menos de 20% da população recebem o Bolsa Família.

Terceiro colocado nos levantamentos, o presidenciável Aécio Neves (PSDB) não chega a bater Dilma e Marina em nenhum Estado. Porém, seu melhor desempenho é também em regiões com menor número proporcional de beneficiários do Bolsa Família.

Professor da Fundação Getúlio Vargas, com passagem pelas universidades norte-americanas de Princeton e Yale, o cientista político e pesquisador Cesar Zucco acredita que beneficiários do Bolsa Família têm uma probabilidade entre 10% e 15% maior que uma pessoa que não recebe o benefício de votar no governo que oferece a benesse.

Cruzamento

Cesar Zucco cruzou dados e estudou a influência de programas sociais nas eleições presidenciais de 2006 e 2010. “Se você for olhar os Estados em que é alta cobertura do Bolsa Família, percebe que a intenção de voto é alta na Dilma hoje, como foi no Lula em 2006. Mas, tanto beneficiários quanto não beneficiários votam em proporção alta na presidente”, afirmou.

Zucco acredita na influência do Bolsa Família, porém, argumenta que outros fatores determinam o voto em regiões carentes, como o aumento do salário mínimo.

O pesquisador espera o fim do pleito presidencial para cruzar os dados dos programas sociais com o percentual de votos dos candidatos, a exemplo do que fez em 2006 e 2010.

Vantagem

Para a cientista política Débora Thomé, que tem livro publicado sobre o Bolsa Família, a grande vantagem de Dilma sobre os adversários em Estados com maior número de beneficiários foi consolidada desde a última eleição da petista, em 2010. “Minha suspeita é a de que ela carrega estes votos desde a eleição passada, de quem já recebia”, afirmou. “O programa dá voto? Dá, mas é esperado de qualquer política pública que dê certo”.

Nordeste e Norte têm 34,5% dos eleitores

As regiões Norte e Nordeste, onde a presidente Dilma Rousseff (PT) abre maior vantagem eleitoral sobre os adversários, respondem por 34,35% do total de eleitores cadastrados, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Em alguns Estados destas regiões, a petista abre 40 pontos percentuais de diferença em relação aos adversários. No Maranhão, por exemplo, 50,34% dos habitantes são compostos de pessoas que se beneficiam do programa. No Estado, Dilma tem a vantagem mais expressiva. Bate Marina Silva em 41 pontos percentuais. A petista tem 60% das intenções de voto e a socialista, 19%.

No Norte e Nordeste, a exceção ocorre em duas unidades da federação. Das 14 que mais se beneficiam do programa de transferência de renda, em apenas duas Dilma perde para Marina.

A maior diferença é no Acre, terra natal da ex-ministra. Lá, Marina tem 49% das intenções de voto e Dilma, 25%.

O segundo Estado em que Dilma perde para a socialista é Pernambuco. Mesmo assim, a vantagem está dentro da margem de erro, de dois pontos percentuais para mais ou para menos, podendo indicar empate técnico. Marina tem 40% dos votos e Dilma, 36%.

Pernambuco é o Estado de Eduardo Campos (PSB), candidato à Presidência da República que morreu em um acidente de avião em agosto deste ano, deixando a vaga para a vice, Marina Silva (PSB).

Todos os 14 estados com mais beneficiários proporcionais do Bolsa Família estão localizados nas regiões Norte e Nordeste. O Brasil possui 142,2 milhões de eleitores.

R$ 25,29 bi no ano

Criado em 2004, o Bolsa Família é o principal programa federal de transferência de renda. De acordo com levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU), em 2013 foram repassados R$ 24,89 bilhões às famílias. Em 2004, o valor foi de R$ 3,79 bilhões.

O crescimento no período foi de 656%. Para este ano, está autorizado o pagamento de R$ 25,29 bilhões para os beneficiários.

Em 2004, eram 6.571.839 famílias recebendo o benefício, contra 14.086.199 em 2013, de acordo com relatório do TCU.  

Compartilhar
Ediminas S/A Jornal Hoje em Dia.© Copyright 2022Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por