O presidente Barack Obama planeja oferecer um olhar otimista sobre o potencial da América, em seu último discurso do Estado da União, disse o chefe de gabinete Denis McDonough, neste domingo (10). O discurso deve contrastar com o que ele chamou de "desgraça e melancolia" de candidatos presidenciais republicanos.

McDonough disse que Obama vai quebrar a tradição em seu discurso de terça-feira à noite, ao se abster de abordar sua lista de desejos para as políticas do ano à frente e apenas vai oferecer um olhar amplo e otimista sobre o potencial do país nas próximas décadas.

"O presidente vai traçar uma imagem do país para frente, voltada para o futuro, sem medo dele", disse McDonough à Fox.

Obama disse à sua equipe no ano passado que ele não "queria que este fosse um discurso de política tradicional, que descreve uma série de propostas", disse McDonough, desta vez ao ABC. O discurso vai abordar três grandes temas, disse ele: a economia, a segurança nacional e a participação cívica.

Na quarta-feira, em vídeo prévio do discurso, Obama disse que sua fala incluirá um olhar sobre "o que todos nós precisamos fazer juntos nos próximos anos."

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, disse esperar que Obama "tente pintar um quadro róseo onde não existe."

Os republicanos, incluindo legisladores atuais e candidatos de 2016, disseram que a abordagem da política externa do governo em temas polêmicos, como a Síria, o Iraque, o Irã e a Coreia do Norte, tem incentivado inimigos americanos, deixando os aliados do país instáveis.

A Casa Branca deu outras pistas do conteúdo do discurso no domingo, quando divulgou a lista de convidados que estarão sentados com a primeira-dama, Michelle Obama. A lista inclui pessoas que trabalharam em prisões, um refugiado sírio e veteranos do Exército que foram para os Estados Unidos do México e da Arábia Saudita.