Foi a paixão pelo sabor da culinária mineira que levou Maria Lúcia Clementino Nunes a inaugurar, em 1990, a primeira unidade do restaurante Dona Lucinha, especializado em pratos tipicamente regionais, como frango ao molho pardo, tutu de feijão, leitão a pururuca e outras delícias da mesa dos mineiros. Agora, 26 anos depois, a tradicional casa, já com duas unidades em Belo Horizonte e uma São Paulo, decide dar mais um passo em direção à expansão.

Através de um projeto elaborado pela Saffi Consultoria, rede brasileira de consultoria empresarial e de franchising, o restaurante se prepara para entrar no segmento de franquia.

Segundo o sócio-diretor da Saffi, Guilherme Gomide, a busca é por empreendedores dispostos a investir em uma loja piloto, que tem como foco inicial os shoppings de Belo Horizonte e de São Paulo. A estimativa de investimento em uma franquia do Dona Lucinha varia entre R$ 500 mil e R$ 1 milhão.

Conforme conta a empresária Márcia Nunes, a mais velha das filhas da Dona Lucinha, o desejo de expansão era um sonho antigo, mas a mãe tinha o receio de que o gosto tão peculiar das guloseimas mineiras fosse perdido. Até que na Copa do Mundo no Brasil a família sentiu que tinha chegado a hora de levar adiante o projeto de ampliação.

“Naquele dia fatídico da goleada da Alemanha sobre o Brasil, o restaurante estava lotado. De repente, o tenor Plácido Domingo se levantou da mesa em que estava com os familiares e me convidou para abrir uma casa em Nova York. O reconhecimento de um artista tão viajado, importante e sensível como ele nos trouxe a coragem que faltava”, diz.

A ideia, segundo Márcia, é dar todo o suporte para os franqueados. A matriz, na rua Padre Odorico, no bairro São Pedro, passará por obras no início de 2016.

Na cozinha de lá, serão feitos doces, temperos e carnes. “A proposta da minha mãe sempre foi preservar e divulgar a comida mineira. Ela faz isso desde os tempos de professora na área rural do Serro e vamos dar continuidade a esse trabalho”, afirma Márcia.

Conhecida como embaixatriz da culinária mineira, Dona Lucinha, hoje com 83 anos, já participou de festivais pelo país e também no exterior. Ela foi a primeira chefe de cozinha do Brasil a ser convidada três vezes para ir aos EUA como representante da América Latina, através do Movimento Slow Food, que celebra a comida saudável.

Em 2015, Dona Lucinha foi inspiração para o enredo da Salgueiro, escola de samba tradicional do Carnaval carioca, que homenageou os sabores e saberes da comida de Minas.