Depois de mais de quatro horas de reunião, empresa Norte Energia concordou nesta terça-feira (16) em atender a pauta dos indígenas acampados na ensecadeira (dispositivo para contenção temporária da ação das águas de um rio) do Sítio Pimental, um dos canteiros das obras de Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Em contrapartida, os líderes comprometeram-se em deixar ainda na noite desta terça-feira o local. O próximo passo será a definição das datas para o atendimento dos pontos acertados.

A reunião presidida pelo procurador da Fundação Nacional do índio (Funai), Leandro Santos da Guarda, foi determinada pelo juiz federal de Altamira, Marcelo Honoratto, com o objetivo de tentar uma saída pacífica dos manifestantes do sítio, em ação de reintegração de posse da Norte Energia.

Dentre as demandas dos indígenas, destacam-se: demarcação das terras indígenas de acordo com o previsto nas condicionantes do licenciamento de Belo Monte; monitoramento territorial; infraestrutura e saneamento básico para as comunidades de índios; construção de escolas com ensino diferenciado nas comunidades, e postos de vigilância, entre outras. Por causa da extensa pauta dos indígenas, os pedidos dos pescadores e pequenos agricultores serão discutidos nesta quarta-feira (17), durante reunião marcada para ser realizada em Altamira.