O grupo American Airlines e seus 15 mil pilotos ainda não chegaram a um acordo sobre um novo contrato de trabalho, ignorando o prazo final de 15 de novembro para a conclusão das negociações. Os pilotos querem que o novo contrato de cinco anos ofereça aumentos maiores de salário, para compensar o programa de participação nos lucros oferecido pela concorrente Delta Airlines.

A Allied Pilots Association (APA), que representa 10 mil pilotos da American Airlines e 5 mil da US Airways, reivindica um aumento de salário de 10%. A proposta da American é de um aumento médio de 3% sobre os salários de pilotos da Delta. Para a APA, seus membros deveriam receber um aumento maior, já que a American não oferece um programa de participação nos lucros.

No final de 2013, American Airlines e US Airways chegaram a um acordo de fusão que criou a maior companhia aérea do mundo.

Os pilotos da Delta, que já são mais bem remunerados que seus colegas da American, devem receber neste ano um bônus de 15% de seu salário anual, com base no desempenho financeiro da companhia. Além disso, estão se preparando para negociar um novo contrato de trabalho, que deve incluir mais aumentos.

Após a fusão, American e APA tinham concordado que as negociações se encerrariam em 15 de novembro, e que questões pendentes seriam resolvidas por um painel de arbitragem. Neste domingo, um porta-voz da American disse que as negociações prosseguirão durante a semana.

Na semana passada, o grupo American Airlines sofreu um inesperado revés em seu processo de integração, quando os comissários de bordo das antigas US Airways e American Airlines rejeitaram por apenas 16 votos um contrato de trabalho comum. A questão, agora, será decidida por um painel de arbitragem. Fonte: Dow Jones Newswires.