O saldo das carteiras de financiamento para veículos dos bancos ligados à Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (Anef) caiu 2% em janeiro, na comparação com o mesmo período do ano passado. Em janeiro de 2012, os 14 bancos associados tiveram um saldo de R$ 245,6 bilhões ante R$ 240,6 bilhões em janeiro deste ano. Na comparação mensal, com dezembro do ano passado, quando o saldo foi de R$ 242,2 bilhões, a queda foi de 0,6%. Os valores incluem financiamento e leasing.

A liberação de recursos para financiamento (CDC), que fechou janeiro com R$ 8,981 milhões empenhados - R$ 7,709 milhões para pessoa física e R$ 1,272 milhão para pessoa jurídica -, teve queda de 1,1% na comparação com janeiro de 2012, quando o volume foi de R$ 9,082 milhões. O leasing teve apenas R$ 234 mil liberados no mês, sendo R$ 50 mil para pessoa física e R$ 184 mil para pessoa jurídica. No mesmo período do ano passado, foram liberados R$ 452 mil, sendo R$ 335 mil para pessoa física e R$ 117 mil para pessoa jurídica.

As taxas de juros anuais médias dos bancos ligados à Anef tiveram redução de 3,76 pontos porcentuais no espaço de um ano, de janeiro de 2012 a janeiro de 2013. No primeiro mês do ano passado, a taxa média de juros anual era de 19,84% e passou para 16,08%, o que representa juros mensais de 1,52% e 1,25%, respectivamente.

"As montadoras oferecem taxas de juros em grande parte subsidiadas, atingindo melhores condições e valores mais competitivos, inclusive com a possibilidade, em algumas situações, de oferecer a opção da taxa zero", afirmou o presidente da Anef, Décio Carbonari, em nota à imprensa.

Nos bancos de varejo, a taxa média de juros para financiamento de automóveis para pessoa física ficou em 1,57% em janeiro, ou 20,5% ao ano. Para pessoas jurídicas, a taxa fechou o mês em 1,23%, ou 15,8% anuais.

Inadimplência

A inadimplência nos contratos de financiamento dos associados da Anef para pessoas físicas terminou o mês de janeiro em 6,4% ante 6,3% em janeiro de 2012. A entidade considera como inadimplentes os clientes que registram atraso de ao menos 90 dias. Em dezembro do ano passado, a taxa também era de 6,4%. Para pessoa jurídica, a inadimplência ficou em 4,5% ante 4% em janeiro de 2012.

Já a média de prazos dos planos de financiamento foi de 43 meses. No mesmo período de 2012, o prazo médio era de 46 meses. O prazo máximo se manteve em 60 meses.