O comércio varejista teve alta de 1,2% em seu volume de vendas, na passagem de janeiro para fevereiro. É importante destacar que o dado, da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada hoje (7) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) é anterior às medidas de isolamento social impostas devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19), adotadas apenas a partir de meados de março.

O comércio teve uma queda de 0,2% na média móvel trimestral, mas cresceu 4,7% na comparação com fevereiro de 2019, 3% no acumulado do ano e 1,9% no acumulado de 12 meses. Na passagem de janeiro para fevereiro, cinco das oito atividades pesquisadas pelo IBGE tiveram alta: móveis e eletrodomésticos (1,6%), tecidos, vestuário e calçados (1,6%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (1,5%), hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (1,5%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (0,6%).

Por outro lado, três atividades tiveram queda no volume de vendas: livros, jornais, revistas e papelaria (-3,8%), equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (-1,1%) e combustíveis e lubrificantes (-0,6%).

Considerando-se o varejo ampliado, que também inclui materiais de construção e venda de veículos e peças, o volume de vendas cresceu 0,7% na passagem de janeiro para fevereiro, com altas de 0,9% na venda de veículos e peças e de 0,1% nos materiais de construção.

O varejo ampliado também teve altas na média móvel trimestral (0,2%), na comparação com fevereiro de 2019 (3,3%), no acumulado do ano (3,4%) e no acumulado de 12 meses (3,6%). A receita nominal do varejo subiu 1% na comparação com janeiro, 8,7% em relação a fevereiro do ano passado, 7,2% no acumulado do ano e 5,1% no acumulado de 12 meses. Já a receita nominal do varejo ampliado cresceu 0,9% em relação ao janeiro, 6,5% na comparação com fevereiro de 2019, 6,5% no acumulado do ano e 6,1% no acumulado de 12 meses.


Leia mais:
Mercado deixa de licenciar 40 mil veículos em março
População de BH tem mais medo do novo coronavírus do que de crise econômica, diz pesquisa da CDL
CNC estima queda histórica de vendas na Páscoa